Chega

Ventura: "deixou de haver oposição do PSD" e Rio é uma "desilusão"

Ventura: "deixou de haver oposição do PSD" e Rio é uma "desilusão"

O líder do Chega disse que o comportamento de Rui Rio, presidente do PSD, tem sido "uma grande desilusão" nos últimos dias. Após a aprovação do Orçamento Suplementar, esta sexta-feira, André Ventura acusou o social-democrata de estar "sempre de mão dada com o PS".

"É uma grande desilusão para mim o comportamento que o dr. Rui Rio tem tido ao longo dos últimos dias", afirmou Ventura à saída do hemiciclo. "Parece que deixou de haver oposição do PSD".

O deputado do Chega disse que, apesar de Rio expressar frequentemente reservas em temas como a ida de Mário Centeno para o Banco de Portugal, a injeção de dinheiro na TAP ou o Orçamento Suplementar, na prática acaba sempre por "viabilizar" as pretensões do Governo.

Também o facto de o PS ter proposto o nome de Francisco Assis para o Conselho Económico e Social e de Rui Rio ter considerado a escolha "feliz" mereceu a reprovação de Ventura. O deputado referiu que Assis é "um dos grandes defensores do bloco central" - o que, concluiu pode ser "um sinal do que vamos ter nos próximos tempos".

Por último, André Ventura criticou a proposta de Rio para pôr fim aos debates quinzenais com o primeiro-ministro e estabelecer um máximo de 12 sessões ordinárias por ano com o chefe do Governo no Parlamento. "Daqui a nada, o dr. Rui Rio vai dizer que mais vale não haver deputados", referiu o líder do Chega.

Ventura considerou ainda que o Orçamento Suplementar, aprovado pelo PS com as abstenções de PSD, BE e PAN, não tem aquilo "de que o país precisa". Na opinião do deputado, o documento traça um cenário "excessivamente otimista", "fica à espera do dinheiro da União Europeia" e não protege a classe média, as famílias, as empresas nem os trabalhadores.

Outras Notícias