O Jogo ao Vivo

Porto

Vladimiro Feliz: "Não ganhar será uma derrota pessoal"

Vladimiro Feliz: "Não ganhar será uma derrota pessoal"

Vladimiro Feliz vem para ganhar a Câmara do Porto. E, se não conseguir, será uma "derrota pessoal", assumiu esta quarta-feira. Daí que o candidato do PSD nem admita sequer um cenário de assumir pelouros, num acordo pós-eleitoral com Rui Moreira.

O lema trouxe-o dos tempos em que era vice-presidente do autarca social-democrata Rui Rio e foi repetido várias vezes, durante a manhã desta quarta-feira em que Vladimiro Feliz falou, pela primeira vez, como candidato à Câmara do Porto, para anunciar os objetivos genéricos do seu projeto autárquico: "um Porto de contas certas".

"Um Porto de contas certas, que nos garanta a liberdade de, em qualquer momento, podermos tomar as decisões de forma autónoma", prometeu o candidato do PSD à Câmara do Porto, lembrando que foi assim que Rui Rio deixou o Município há oito anos.

No entanto, crê Vladimiro Feliz, o autarca independente Rui Moreira não soube aproveitar essa herança. "A cidade foi gradualmente entrando em câmara lenta, perdendo o ADN reformista e transformador, que tanto caracteriza o Porto e os portuenses... Não soube aproveitar a oportunidade, ainda mais, com a vantagem de ter herdado uma casa arrumada e com as contas em ordem".

Vladimiro Feliz vem, assim, "fazer das tripas coração" para "tirar o Porto do modo câmara lenta", prometendo "construir uma visão de futuro". O candidato do PSD vem, então, para vencer, garante: "Sou mais de fazer do que de falar. Venho para ganhar. Se não ganhar é uma derrota pessoal, para mim!".

Com a fasquia alta, retirar a Câmara do Porto a um autarca com maioria absoluta, Vladimiro Feliz avisa, desde já, que não haverá acordos pós-eleitorais com Rui Moreira. Por isso, não aceitará pelouros, em circunstância alguma. "Não conte, comigo para isso! Para isso, teria seguido outro caminho", vincou numa conferência de Imprensa junto aos Clérigos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG