Newsletter Editorial

A escola do futuro

Arrancou a telescola. Um mês depois das crianças terem sido obrigadas a ficar em casa, devido ao fecho das escolas, abre-se um novo ciclo e, indiscutivelmente, uma nova forma de lecionar. O desafio é enorme. Ninguém estava preparado e, num ápice, tudo mudou para alunos, professores e encarregados de educação. As videoconferências passam agora a fazer parte do dia-a-dia dos alunos, que terão o complemento das aulas através da RTP Memória. Não sendo, de longe, a solução ideal, é o desenrasque possível e nesse capítulo os portugueses já estão habituados a fazer das fraquezas forças. É a nossa sina.

Obviamente, o incremento das novas tecnologias acarreta mais custos e perigos. As famílias, com pais em teletrabalho, têm de partilhar os equipamentos com os filhos. O Estado e as Câmaras prometem ajudar, mas será inevitável que alguém fique para trás. É a escola do futuro, para o qual não houve tempo para esboçar um plano. Nas aulas digitais, já há relatos de intrusos com o único propósito de desvirtuar e gozar com o panorama. Como educar em 15 minutos o que não se consegue, por vezes, em 15 anos?

Com a saturação do confinamento e a pressão da economia a intensificar-se sobre a saúde, há sinais que as medidas do Estado de Emergência possam vir a ser aliviadas a partir do próximo mês, o que levanta uma série de questões. Não iremos deitar o esforço por água abaixo?

Com o dia-a-dia cheio de Covid-19 e lay-offs, o futebol procura reentrar em campo e o Sporting voltou aos treinos em condições muito especiais. Na LigaPro, o Nacional da Madeira tinha sido a primeira equipa a regressar aos trabalhos de campo, na semana anterior. Com 10 jornadas para disputar na Liga, mantém-se a expetativa e ainda não há uma data concreta para que a bola volte a rolar. A Comissão Permanente de Calendários reúne-se de três em três dias, mas, para já, só há um esboço para quando o campeonato voltar... à porta fechada. Essa será a realidade.

Outra certeza é o cancelamento da visita do Papa a Portugal. Enquanto não houver uma vacina, a pandemia vai continuar a ganhar.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG