O Jogo ao Vivo

Newsletter Editorial

Cerco ou não cerco, eis a questão

Cerco ou não cerco, eis a questão

Começou a semana que conduzirá ao mês de abril, o "mais crítico desde o início da pandemia", segundo palavras do primeiro-ministro, António Costa, ditas no mesmo dia em que o presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou que "sem ouvir os especialistas, ainda é prematuro falar da renovação do estado de emergência".

Essa questão será colocada na quinta-feira. Por agora, o assunto do momento é a possível implementação de um cerco sanitário no Porto, maior foco de contágio em todo o país, sugerida pela diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, e já recusada pelo presidente da autarquia portuense. Rui Moreira diz que não foi ouvido e só vê inconvenientes na eventual decisão, que vão desde o abastecimento à limpeza da cidade.

A medida foi tomada em Ovar, há mais de uma semana, e existem concelhos da área metropolitana do Porto, entre os quais os de Gaia, Maia e Gondomar, fustigados pelo novo coronavírus, que também já a terão pedido. No que ao Porto diz respeito, num comunicado duro publicado nas redes sociais, Rui Moreira fez questão de sublinhar que não reconhece "autoridade" a Graça Freitas nesta matéria.

Longe de serem os que toda a gente gostava de ouvir, os números do dia mantêm Portugal afastado do pesadelo que, por exemplo, Espanha e Itália continuam a viver, tanto a nível de mortes como de pessoas infetadas pelo vírus que atormenta o mundo. A 30 de março, são 6408 os infetados no território português, mais 446 do que no dia anterior, e 140 os óbitos, mais 21 do que no domingo. A boa notícia, se é que se lhe pode chamar assim, tem a ver com o facto de a subida de 7,5% nas infeções confirmadas ser a menor dos últimos 20 dias em Portugal.

No desporto, com esperança de que, no próximo ano, a vida já terá voltado ao normal (será mesmo possível?), o Comité Olímpico Internacional divulgou esta segunda-feira as novas datas para os Jogos de Tóquio, que deviam realizar-se em 2020, e que agora ficam agendados para os dias 23 de julho a 8 de agosto de 2021.

Para ler mais noticiário sobre o coronavírus clique aqui