Newsletter Editorial

"Este homem não é do Norte"

"Este homem não é do Norte"

O leitor mais sério desculpar-me-à este início mais humorístico, num tempo que está para tudo menos para rir. Mas o polémico oráculo da TVI lembrou-me uma famosa expressão de Mega Ribeira, personagem interpretada por José Pedro Gomes na Herman Enciclopédia, há mais de 20 anos.

Ao mínimo sinal de discórdia com as posições dos restantes elementos do grupo, Mega Ribeira gritava logo "este homem não é do Norte", tendo de ser acalmado pelas restantes personagens. Seria isso que ele exclamaria ao ver o notíciário da TVI ontem, e ao ver um oráculo que dizia que a população do Norte era "menos educada, mais pobre, envelhecida e concentrada em lares".

A informação, saída de um estudo, é claramente infeliz e originou as críticas do presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Moreira (embora o estudo não se tenha referido única e exclusivamente à Cidade Invicta) e um pedido de desculpas do diretor de informação da estação.

Viremos a página do humor e passemos aos assuntos mais sérios, que são os mesmos praticamente desde o início do ano. Este dia não-sei-quantos de isolamento social (sim, recuso-me a contá-los) continua sem trazer notícias animadoras. Mais 514 e 32 mortes de infeção pela Covid-19, e um mais que previsível alargamento do Estado de Emergência. Como atenuante, mais 70 recuperados de um vírus que está a mudar, e ainda vai mudar mais, o Mundo e quem o habita.

Desses 70, 18 serão os da Santa Casa da Misericórdia de Resende. Segundo o provedor, Jaime Alves, são 14 trabalhadores e quatro idosos. As luzes ao fundo do túnel, por muito ténues que sejam, já vão atenuando a angústia que todos vivemos.

Como em todas as guerras, há sempre que procurar pontos positivos. E aqui também os há, que se resumem numa palavra: entreajuda. Toda a sociedade portuguesa está mobilizada para esta questão e a edição em papel do JN desta terça-feira mostra mais um ato nesse sentido: o da Destildouro, em Folgosa do Douro, Armamar, que está a produzir diariamente 20 mil litros de álcool para fins sanitários, a partir de subprodutos da vinha e do vinho.

Amanhã é mais um dia (ou menos um dia, dependendo do otimismo/pessimismo de cada um) em que, por ténues que sejam, todos esperamos por boas notícias. Quando digo todos, incluo os menos educados e os mais pobres. E não, não sou do Norte. Mas sempre fui um apaixonado pelo Norte.

Para ler mais noticiário sobre o Coronavírus, clique aqui

Outras Notícias