Newsletter Editorial

Todos com Casillas

Guarda-redes deixou o hospital esta segunda-feira e o momento foi seguido com especial atenção em todo o mundo

É, indiscutivelmente, a maior defesa de Iker Casillas. O experiente guardião espanhol conseguiu defender para canto uma partida do coração e saiu esta segunda-feira do hospital da CUF, onde estava internado desde quarta-feira. Iker, "San Iker", como é apelidado em Móstoles, a terra natal, sofreu um susto para nunca mais esquecer e, nos últimos dias, recebeu uma onda de solidariedade proveniente de todos os quadrantes do planeta e motivou o acompanhamento permanente da imprensa, inclusive da espanhola. As "lendas" são assim. Unânimes.

"Estarei cá para contar a história", disse Casillas, à saída do hospital. É uma verdade, felizmente. O importante agora é a recuperação do homem, que está a poucos dias de completar 38 anos. Quanto à carreira desportiva, naturalmente, ninguém sabe o que vai acontecer e qual será, talvez mais lá para a frente, a vontade do guarda-redes e da família. Independentemente dos próximos episódios, Casillas tem motivos para estar grato. "Tive sorte", disse.

O mundo do futebol uniu-se em torno de Casillas e os dragões, além da visita a Casillas, entraram em campo com a camisola número 1 nas costas. A vitória sobre o Aves foi dedicada ao guardião, que foi substituído por Vaná na baliza portista.

A Liga acelera para as duas últimas rondas e o Benfica, após a goleada sobre o Portimonense, segue na frente, com mais dois pontos que os dragões (que são três devido ao confronto direto). Os encarnados deslocam-se agora Vila do Conde, onde o F. C. Porto empatou (2-2), e os portistas viajam até à Madeira para medir forças com o aflito Nacional, de Costinha. Mais um fim-de-semana de emoções fortes, portanto.

A antepenúltima jornada da Liga ficou ainda marcada pela goleada (8-1) do Sporting ao Belenenses, no Jamor, palco onde daqui a três semanas os leões vão disputar a final da Taça de Portugal com o F. C. Porto. O marcador disparou na segunda parte, a fazer lembrar a goleada (10-0) do Benfica ao Nacional, e Bruno Fernandes (quem mais?) voltou a estar em foco com um hat-trick. Torna-se evidente que é quase missão impossível segurar o médio, por mais uma época, em Alvalade.