Newsletter Editorial

O mistério das 15 freguesias

O mistério das 15 freguesias

1. Ao fim de várias semanas em que a região de Lisboa e Vale do Tejo fez disparar o número de infeções por covid-19 em Portugal, o Governo liderado por António Costa decidiu esta segunda-feira tomar um conjunto de medidas que visam controlar o surto. No novo quadro legal, destaca-se a continuação do estado de calamidade na região e a ordem para a PSP punir os ajuntamentos de pessoas em violação das regras em vigor: 20 no máximo em todo o país, número que baixa para dez pessoas em Lisboa e arredores.

O primeiro-ministro assumiu que a situação é mais grave em cinco concelhos (Lisboa, Amadora, Odivelas, Loures e Sintra), mas circunscreveu o problema a 15 freguesias desses concelhos, sem dizer quais são. Uma cerca sanitária não faz parte do plano. António Costa quer "obter o efeito útil da cerca sanitária" sem os respetivos "inconvenientes", uma vez que as situações em Lisboa e Vale do Tejo são "muito localizadas". "Só há coragem para Ovar?", perguntou, a propósito, o autarca local, Salvador Malheiro.

2. No futebol, a semana que começa inclui esse momento inédito que será a realização de um dérbi entre F. C. Porto e Boavista na véspera de S. João. A pandemia, e a calendarização da Liga já agora, ditaram para uma noite muito especial na Invicta um jogo que costuma ser de emoções fortes, mas espera-se que, como disse Sérgio Conceição, a população portuense e nortenha não deixe de cumprir as regras.

Dispensável era a polémica que rodeou um possível adiamento do jogo, que acabou por não acontecer. Rui Moreira e Eduardo Vítor Rodrigues, autarcas do Porto e de Vila Nova de Gaia, lançaram a ideia na semana passada, a Liga chegou a discutir o assunto com os dois clubes, mas a data inicial prevaleceu.

Mas se o estádio não pode ter público e as festas na cidade estão proibidas este ano, qual é mesmo o problema de se realizar o F. C. Porto-Boavista na noite de 23 de junho? Ainda se uma vitória decidisse o título. O problema vai ser quando os adeptos tiverem mesmo uma razão para festejar, em Lisboa ou no Porto. Mas isso só lá para finais de julho...

Outras Notícias