Newsletter Editorial

O presente envenenado para Vieira

O presente envenenado para Vieira

Presidente do Benfica foi surpreendido por críticas na Assembleia Geral quando apontava à unanimidade

Estava Luís Filipe Vieira posto em sossego, acabado de sair de um verão em que fez a maior venda de sempre de um futebolista em Portugal (João Félix) e de uma época em que regressou aos títulos depois de ter apostado a meio do campeonato num treinador (Bruno Lage) recrutado à equipa B, numa altura em que o Benfica tinha menos sete pontos do que o F. C. Porto. Mas isso foi só até à AG de sexta-feira passada, um verdadeiro presente envenenado.

O presidente do clube da Luz parecia lançado para uma noite de unanimidade e aclamação, com os sócios embevecidos pelos lucros sucessivos da SAD e com os grandes resultados da equipa de futebol (cinco campeonatos ganhos nos últimos seis anos), mas eis que um discurso crítico de um associado, aplaudido de forma veemente por dezenas de outros, lhe fez saltar a tampa. Vieira foi apanhado de surpresa e reagiu de forma intempestiva: houve relatos de um apertão de pescoço e correram vídeos nas redes sociais em que o dirigente máximo das águias surge preparado para irromper pela bancada, numa postura desafiadora, antes de ser acalmado por seguranças à paisana.

A verdade é que há adeptos do Benfica que não conseguem perdoar a quem comanda o clube as épocas sucessivas de péssimos resultados na Liga dos Campeões, cuja edição deste ano já começou mal, com uma derrota em casa com o Leipzig na primeira jornada da fase de grupos. As contínuas promessas de um Benfica europeu, que alimentam o sonho de ganhar a Champions, têm caído sempre em saco roto, levando a desilusões que, pelos vistos, as vitórias internas não chegam para mitigar.

Vieira não estava à espera de ser criticado e sentiu-se injustiçado, até pelo tom alegadamente insultuoso e irónico do tal discurso do sócio descontente, que muitos outros resolveram aplaudir. Não demorou muito para que o putativo candidato à presidência, Rui Gomes da Silva, chamasse "triste e grave" ao incidente da Assembleia Geral, no contexto de uma agenda pessoal que toda a gente percebe. Se o Benfica ganhar esta semana ao Zenit e puder voltar a sonhar com uma campanha de sucesso na Champions, as coisas acalmam na Luz. Caso contrário...