Newsletter Editorial

Seleção de final em final

Seleção de final em final

Jogo de sábado na Sérvia pode ser decisivo nas contas do apuramento para o Euro 2020

Parece impossível, até porque Portugal só disputou até agora dois dos dez jogos que vai realizar no Grupo B, mas a partida com a Sérvia, em Belgrado, pode definir o futuro da seleção de Fernando Santos na fase de qualificação para o Campeonato da Europa do próximo ano. Com dois empates cedidos em casa, diante dos principais adversários na corrida ao apuramento (Ucrânia e Sérvia), a equipa portuguesa não se pode dar ao luxo de não pontuar no sábado, sob pena de ficar desde já agarrada à calculadora e a depender de terceiros.

A fragilidade das outras seleções do grupo (Lituânia e Luxemburgo) faz pressupor que não conseguirão tirar pontos a ucranianos e sérvios, nem aos portugueses, pelo que a passagem à fase final, reservada aos dois primeiros classificados, deverá mesmo ser decidida nos confrontos diretos entre Portugal, Ucrânia e Sérvia. É, por isso, obrigatório que a equipa das quinas vá buscar fora os pontos que já perdeu em casa, o que transforma este jogo de Belgrado numa final antecipada em que é proibido perder e muito aconselhável ganhar.

Na última vez em que entrou em ação, no início de junho, Portugal também disputou uma final, ganhando a Liga das Nações à Holanda, no Estádio do Dragão. O segundo título de Fernando Santos encheu a barriga dos adeptos e garante que, se falhar o apuramento para o Euro no Grupo B, a seleção lusa terá mais uma oportunidade via play-off, mas ficar atrás da Ucrânia e da Sérvia será sempre um cartão de visita muito negativo para um campeão europeu.

Mais do que discutir a convocatória, outra vez polémica, pede-se uma exibição em condições da equipa portuguesa na capital sérvia e, acima de tudo, uma vitória que permita começar a pensar em defender o título em 2020, num Europeu que é "para ganhar", conforme disse Cristiano Ronaldo numa entrevista recente, em Turim. A ambição e o otimismo do capitão fazem concluir que nem lhe passa pela cabeça ficar de fora da fase final, que pela primeira vez será disputada em 12 cidades europeias. Na verdade, não passa pela cabeça de ninguém.