Newsletter Editorial

Semáforo amarelo na indústria

Semáforo amarelo na indústria

Esta terça-feira, a Helsar, empresa de calçado de São João da Madeira, é notícia por más razões. Entrou em insolvência. No ramo, não é a única com problemas. Outras fecharam. No início do mês, o foco tinha-se virado para os têxteis, devido ao abrandamento. Na indústria acende-se o semáforo amarelo. À Helsar, nem Pippa Middleton, cunhada do príncipe William, valeu.

Hoje, os trabalhadores da Helsar vivem um drama. Mas quando a firma apareceu nas páginas da revista Forbes, por Pippa ter usado o calçado da marca no casamento da realeza britânica, o horizonte parecia cor-de-rosa. A empresa de São João da Madeira entrou no mercado inglês e cativou grandes clientes internacionais, como Jean Paul Gaultier e Jimmy Choo, entre outros. Agora restam essas boas memórias, porque o presente é negro.

Entre os empresários do sector, as opiniões dividem-se. Há quem refira que os problemas adivinhavam-se, outros falam em ciclos. O certo é que pela primeira vez, em 10 anos, a indústria do calçado vai registar uma quebra de 5% nas exportações. Os motivos são vários. Um deles, de peso, prende-se com a incerteza da economia na Europa, para onde é escoada boa parte da produção.

No caso dos têxteis, de que tanto se falou nos primeiros dias de dezembro, às reações instantâneas de nervosismo na opinião pública, seguiram-se comentários mais ponderados. Diz-se que o refreamento era aguardado, após as confeções terem vivido uma época alta.

Todavia, se esta terça-feira aconteceu em São João da Madeira, amanhã ou depois poderá ser outro o concelho atingido pelo flagelo do desemprego e da perda de riqueza. Um fenómeno que afeta sobretudo o Norte, onde o calçado e o vestuário absorvem muita mão-de-obra. É notório que o turismo continua em força, mas a região e o país não podem ficar à mercê dos estrangeiros que nos visitam para férias ou daqueles que escolhem Portugal para passar o tempo de reforma. É necessário preservar os nichos industriais nos quais ainda damos cartas. Os sinais de alerta estão aí.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG