Newsletter Editorial

Sete por água abaixo

Foi um fartote. A terceira eliminatória da Taça de Portugal trouxe várias surpresas e animou o mundo da bola. Valha-nos isso. Num mundo onde impera a lei do mais forte, o futebol ainda serve de palco para criar ilusões e ver o mais pequeno tombar o grande. Ou a fábula do pastor David a vergar o gigante Golias.

No total, caíram sete equipas da Liga aos pés de formações de divisões inferiores. Mas há quedas mais acentuadas que outras. A ronda abriu logo com o "hara-kiri" do Sporting em Alverca. Um estrondo. A equipa de Silas foi eliminada por uma equipa do terceiro escalão e não há muito a dizer. No capítulo decisivo do jogo, os golos, a equipa do Ribatejo foi mais forte e venceu bem. A crise está para durar em Alvalade.

Uma das maiores proezas coube ao Sintra Football, clube que conta apenas com 12 anos de existência. Depois da vitória, nos penáltis, sobre o Vitória de Guimarães, a equipa lisboeta sai, definitivamente, do anonimato e passa a entrar para a galeria dos heróis da Taça. Um desses heróis é o presidente Dinis Delgado, que faz tudo no clube. Um verdadeiro "carola", que faz de speaker, serve a comida aos jogadores e vive o Sintra 24 horas por dia. Mais do que ninguém, merece viver o conto de fadas.

O Beira-Mar, que há bem pouco tempo andava na grande montra a fazer a vida negra aos grandes, encheu-se de brio e eliminou o Marítimo. Foi um regresso ao passado que terminou em festa no Municipal de Aveiro. Ricardo Sousa, treinador, já venceu a Taça como jogador, em 1998/99, quando marcou o golo na final (1-0) contra o Campomaiorense. O pai, António Sousa, era o técnico aveirense e a imagem de consagração entre pai e filho é das memórias mais emotivas da prova rainha.

A estas surpresas juntam-se as quedas do Aves, Tondela, Portimonense e Boavista, da Liga, frente ao Farense, Feirense, Académica e Chaves, respetivamente. Na verdade, umas "meias" surpresas, pois é reconhecida a competitividade das equipas que disputam a LigaPro.

O Famalicão, líder da Liga, também sofreu para superar um Lourosa, do Campeonato Portugal, que tem uma equipa cheia de qualidade e maturidade. Valeu os penáltis ao atual líder do campeonato para seguir em frente.

Lá por fora, além do habitual golo de Cristiano Ronaldo na vitória (2-1) da Juventus sobre o Bolonha, continua a destacar-se outro português, mas no banco: Jorge Jesus, pois claro. O técnico do Flamengo obteve mais uma vitória (2-0), agora no clássico com o Fluminense, e lidera o Brasileirão com 10 pontos de vantagem sobre o Palmeiras. É obra!