Newsletter Editorial

Uma questão de centímetros

Uma questão de centímetros

Os foras de jogo impercetíveis que anulam golos estão a causar polémica no futebol inglês. Em Portugal, as já famosas linhas do VAR têm servido para acalmar os ânimos.

1. "Se o Tarantini tivesse cortado as unhas, talvez estivéssemos a falar de um resultado diferente". Foi assim que Carlos Carvalhal, treinador do Rio Ave, reagiu à anulação de um golo pelo videoárbitro no jogo deste fim de semana com o Marítimo, que a equipa de Vila do Conde perdeu por 1-0. Na verdade, o Rio Ave não teve um, mas dois golos invalidados pelo VAR nessa partida, ambos por fora de jogo, o primeiro de 20 centímetros e o segundo, o tal de Tarantini, por seis centímetros.

Golos anulados por esse tipo de irregularidades impercetíveis, tanto a olho nu como até na televisão, mas que as linhas do VAR conseguem detetar, estão a dar brado em Inglaterra, a ponto de o Internacional Board começar a pôr em causa o protocolo aprovado pela FIFA. Nos lances de offside, o VAR não atua só em casos de erros claros e óbvios, mas em qualquer circunstância, esteja o jogador atacante adiantado um metro ou um milímetro em relação ao último defesa, mas há na Premier League quem não esteja de acordo e até o presidente da UEFA já deu a sugestão de se criar uma margem de tolerância.

Em Portugal, o que vai de temporada permite constatar que, pelo menos nessas jogadas, os decibéis da polémica estão a diminuir em relação a anos anteriores. Carvalhal, como outros treinadores, têm mostrado aceitação pelo uso da tecnologia, por muito discutível que possa ser o facto de os tais centímetros em fora de jogo darem realmente uma vantagem decisiva para um jogador marcar ou criar uma jogada de golo. Resta-lhes, como aos adeptos, acreditar nas linhas do VAR e, no limite, mandar os jogadores cortar as unhas.

2. Em Itália, 2020 começou com brilho de Cristiano Ronaldo, autor de três golos na vitória da Juventus sobre o Cagliari (4-0). Em dia de Reis, CR7 mostrou que está disposto a continuar a lutar pelo trono mundial, depois de um ano de 2019 um pouco abaixo das expectativas, refletido nas votações para os prémios mais importantes a nível individual, ganhos por Messi. O regresso à grande forma de Ronaldo, que as últimas semanas já deixavam antever, é uma boa notícia para a Juve, mas também para a seleção portuguesa, em ano de Campeonato da Europa.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG