Newsletter Editorial

V de Vacina e de Varandas

V de Vacina e de Varandas

1. É já amanhã que a Inglaterra vive aquilo a que o ministro da Saúde do país, Matt Hancock, chamou "primeiro dia V". Numa analogia curiosa ao célebre dia da Vitória na 2.ª Guerra Mundial, Hancock deu um caráter igualmente histórico ao dia em que o Reino Unido começará a vacinar uma parte da população contra a covid-19.

As primeiras doses da vacina da Pfizer/BioNTech estão a ser distribuídas por cerca de 50 hospitais ingleses e hoje começarão a ser dadas a residentes e funcionários de lares de idosos, idosos com mais de 80 anos e profissionais de saúde. A lista continuará depois em contagem decrescente de grupos etários e pessoas vulneráveis em termos de risco ou problemas de saúde.

Espera-se que este seja o primeiro de muitos dias V, um pouco por todo o Mundo, incluindo naturalmente Portugal, que deverá iniciar a vacinação em janeiro. Para já, o nosso país continua a luta sem tréguas contra a pandemia e superou esta segunda-feira os 5000 mortos pela doença, no mesmo dia em que Marcelo Rebelo de Sousa anunciou a recandidatura à presidência da República, nas eleições de 2021. Diz Marcelo que nunca poderia "sair a meio de uma caminhada penosa".

2. E por falar em presidentes, o do Sporting regressou à ribalta nos últimos dias. Frederico Varandas não conteve a revolta no final do jogo de sábado passado em Famalicão, queixando-se do árbitro e do VAR, por terem anulado o golo que seria o da vitória leonina, em cima do 90.º minuto.

Descontando o facto de as imagens televisivas da jogada parecerem desmentir a versão de Varandas (é notório um toque de Coates nos braços do guarda-redes do Famalicão antes de o central uruguaio cabecear para a baliza deserta) e de ser impossível provar a acusação que fez (que o golo nunca seria anulado a Benfica ou a F. C. Porto), as declarações do presidente do Sporting provam duas coisas.

Uma: Varandas é igual a todos os outros dirigentes do futebol português que só falam quando entendem ser prejudicados pelos árbitros (na jornada anterior, o Sporting ganhou 2-1 ao Moreirense num jogo em que o excelente Pedro Gonçalves marcou um golo depois de a bola lhe ter tocado na mão, lance ilegal à luz dos atuais regulamentos de arbitragem); Duas: Varandas, ao falar como falou em nervos dos rivais com a liderança leonina no campeonato, já assumiu a candidatura do Sporting ao título, algo que o treinador Rúben Amorim tem recusado fazer.

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG