Exclusivo

As lutas diárias de pais surdos e filhos ouvintes

As lutas diárias de pais surdos e filhos ouvintes

São filhos ouvintes de pais surdos e afirmam que a questão a colocar não é como aprenderam a oralizar. Foi natural. As dificuldades encontram-nas no dia a dia. Já foi pior, dizem, mas a escola, a saúde e os serviços não olham para estas famílias com a atenção que as mesmas reclamam.

Aos dez anos de idade "meteu pés ao caminho" e resolveu o problema que a mãe tinha no trabalho, que a poderia levar a ficar desempregada. Aos 12, seguiu porta a porta a cobrar dívidas do negócio do pai. Não pagavam o devido "por ser surdo e não poder defender-se ou por haver falha de comunicação?". A questão mantém-se. A reflexão é feita agora, à distância de mais de 30 anos. Traduzia conversas dentro da própria família. Ia às Finanças ou ao banco. "Comecei a servir de "mini-intérprete"." Abel Moreira, sempre ligado à carpintaria, e Maria Oliveira, que saltitou entre diversas ocupações, estão atualmente na casa dos 60 anos. São os pais de Marisa Moreira e reconhecem o papel preponderante da filha primogénita nas responsabilidades familiares. Mas preferem olhar para o processo de integração no bilinguismo que, diz o pai, "foi natural, inato e intuitivo". "Cada dia aprendia um novo gesto, pois a única forma de comunicação entre nós era a Língua Gestual." A oralidade despontou com a família alargada, com a escola e, posteriormente, com a convivência diária com os irmãos.

Dos pais herdou a língua gestual, da sociedade recebeu a linguagem oral e escrita. O bilinguismo é a realidade dos chamados CoDA, sigla inglesa de Children of Deaf Adults. São crianças ouvintes filhas de pais surdos. Para Marisa Moreira, que passou a infância em Bragança, onde a ajuda escasseava para todos, ainda mais para quem era visto como diferente, as responsabilidades precoces foram "o normal". "É sermos filhos e ao mesmo tempo pais." Além disso, recorda a discriminação. "Só por verem os meus pais gestualizarem, diziam "olhem os mudos" e a mim apontavam "olha a muda"."

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG