Exclusivo

Ir ao médico em casa. Do contágio aos riscos

Ir ao médico em casa. Do contágio aos riscos

Em tempos de pandemia, as teleconsultas generalizaram-se. E podem ser uma ajuda preciosa para quem teme o contágio. Mas só em alguns casos, alerta a Ordem dos Médicos.

Isabel Bolrão, 70 anos, percebeu em fevereiro, ainda o primeiro caso de coronavírus em Portugal não havia sido confirmado, que estava pré-diabética. O diagnóstico chegou com uma solução pronta: fazer medicação para ajudar a controlar os níveis de glicose no sangue e voltar a fazer um check-up dois meses depois. Só que entretanto chegou o vírus. E o confinamento. E o estado de emergência. O medo também. O país em força foi obrigado a ajustar-se a esta nova realidade distorcida a que nem a medicina escapa. Para minorar riscos de contágio, várias clínicas e hospitais passaram a apostar nas teleconsultas. Isabel, que estava incumbida de repetir análises para que o clínico que a acompanha pudesse avaliar os novos resultados, não foi exceção.

"Fiz uma consulta por videochamada que durou mais ou menos 15 minutos. O meu médico viu os resultados das análises, perguntou como me estava a sentir com o tratamento e deu-me indicações em relação ao tratamento que devia continuar a fazer." Isabel nunca tinha feito uma teleconsulta. Tanto que a ideia lhe chegou a causar alguma estranheza. Mas ao fim daquele quarto de hora de um contacto diferente com o médico de sempre estava convencida. "Correu muito bem. No meu caso também foi mais simples porque já tinha sido vista, não precisava de ser auscultada nem nada. Diria que foi uma consulta normalíssima. Com o vídeo, acabamos por nos sentir mais à-vontade. Ao fim e ao cabo acaba por se estar ao pé da pessoa, ela sorri, transmite aquele conforto e aquele ânimo." Para Isabel, o conforto é também o de não ter que sair de casa, nem se sentir a correr riscos numa ida ao hospital. Tanto mais quando já se inclui nos grupos de risco. Mas admite que gostava de repetir a experiência mesmo num futuro livre de pandemia. "Acho que se devia adotar mais este método. Até pelos tempos de espera que se evitam."

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG