Exclusivo

Restaurantes que fintam a crise com inovação

Restaurantes que fintam a crise com inovação

O leitão da Mealhada chega a Lisboa e ao Porto. O marisco de Matosinhos já tem uma aplicação para pedidos. As massas da Feira entram em casa pelas mãos de super-heróis. A comida alentejana subiu o país. E as francesinhas de Viana ganharam palco no Instagram. A maldita pandemia não travou as cozinhas de ideias. São restaurantes que se aguentam de pé, sem sacrificar empregos e sem nunca pararem, mesmo no meio do vendaval.

É quase meio-dia. A esta hora já as mais de 50 mesas do restaurante começavam a encher para acabarem a rebentar pelas costuras em pedidos que se acumulavam atrás do balcão. Num lugar em que a fama se senta em cima de 74 anos de trabalho, não é de admirar que não se desliguem os fornos nem se verguem a portas trancadas. Paulo Rodrigues ergue uma caixa de cartão comprida para mostrar lá dentro um leitão. Como essa, tantas outras prontas a entrar estrategicamente, deitadas, na mala do clássico Renault 4L amarelo incandescente em que investiu já durante a pandemia. É o amarelo do Rei dos Leitões, o amarelo de quem não se resigna a um revés que rouba poupanças e, para muitos, grita desespero. Aqui, as mesas estão vazias de gente, mas as bagageiras estão cheias. Aqui, reinventou-se.

Foi de amarelo -- não é a cor da esperança, mas bem podia ser - que o empresário, que há uma década trocou a banca pelo negócio de família da mulher Licínia, quis pintar o ano negro em que os desvios da A1 para a Mealhada se apagaram do mapa. Março de 2020, já lá vai um ano. As portas fecharam, "uma semana ou duas a coisa resolve-se", acreditava ele. Não aconteceu. Nem esperou por milagreiros. Não podia ficar em casa, "ia morrer de tédio". Um ano antes, recebia o título de Melhor Restaurante da Europa 2019, pelo Conselho Europeu de Confrarias Enogastronómicas. Não se agarra à história, ordenou o regresso ao trabalho, de todos, ainda em março. Já antes do vírus, fazia take-away e entregas pelo país. "Bragança, Lisboa, Porto. Mas nunca com esta intensidade." Aos dois carros que tinha juntou mais dois 4L para mais e mais entregas. Têm estampado o afamado nome: Rei dos Leitões.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG