Imagens

Últimas

Afonso Camões

Até que a morte nos separe

A notícia do JN diz que "casamos cada vez menos aos domingos". Aliás, casamo-nos cada vez menos, todos os dias. E menos ainda para a vida, eis a fria eloquência dos números: há 25 anos, mais de 70% dos casamentos eram feitos na Igreja; hoje, apenas um terço dos casais atreve o "sim" diante do altar. As estatísticas sobre a natureza dos casamentos revelam uma forte tendência para a secularização. Em primeiro lugar, porque há menos casamentos em geral: em 2016 foram registados 31 977, menos de metade dos que ocorreram em 1990 (71 654), enquanto o número de divórcios quase triplicou, no mesmo período, chegando aos 22 340 em 2016, uma média de 61 em cada dia.

Afonso Camões

Votar em offside 

Além de conduzirem pela esquerda e teimarem em medir o Mundo em milhas e polegadas, os ingleses têm a insólita mania de votar às quintas-feiras, em dias de trabalho. E, no entanto, não é por isso que se abstêm mais que nós. Numa democracia antiga, que não precisa de fixar em letra de lei o que resulta do bom senso do povo, há várias teorias para explicar a bizarra escolha do dia para votar. A mais racional argumenta que a quinta-feira era geralmente o dia de mercado, quando mais gente afluía às cidades. Ora, já que lá estavam, podiam ir às cabinas de voto e depositar nas urnas as suas escolhas. Se não lhes falha a memória, sempre votaram à quinta, com duas únicas exceções: foi nos idos de setenta, no século passado, quando duas eleições parciais tiveram de ser antecipadas para quarta-feira. No dia seguinte começava o campeonato do mundo de futebol.