Opinião

Visto de fora

Portugal está na moda e não apenas pela oferta turística que combina boa mesa, alojamento de qualidade, simpatia e lugares por descobrir. O país surpreende por outros resultados alcançados, nomeadamente na educação. É assim um contentamento para o ego nacional participar em reuniões internacionais em que aparecemos como exemplo de boas práticas e muitos avanços. Visto de fora, o país ganha um brilho inesperado que raramente lhe atribuímos visto de dentro. Esta semana decorreu na Guatemala a Conferência Ibero-americana de Ministros da Educação, em que Portugal foi convidado a apresentar experiências inovadoras que contribuíram para as avaliações internacionais muito positivas. Foi dito que se trata de um conjunto de medidas e fatores que passaram por maior autonomia das escolas e por ouvir a comunidade educativa incluindo os alunos. Peça essencial foi a definição do perfil do aluno que se pretende formar e, assim, traçar estratégias e modalidades de ensino.

Mas o encontro ibero-americano de educação foi oportunidade para todos aprendermos e traçarmos planos de ação conjuntos. Portugal só agora começa a explorar as potencialidades da sua pertença ao espaço ibero-americano e de uma relação mais estreita com a América Latina, sendo crescente o número de empresas que se instalam de um lado e de outro, além do Brasil e de Espanha. Liga-nos a proximidade geográfica e cultural, que se estreita através de duas línguas que facilmente se entendem.

A América Latina, com uma população muito jovem e grandes desigualdades, destaca-se pelo investimento em educação, nem sempre com resultados correspondentes. A partilha de experiências e a construção de programas conjuntos a todos aproveita no objetivo comum de melhorar a educação como condição essencial para enfrentarmos o futuro. Uma das mais fortes apostas é o Ensino Superior, tendo sido proposto que se trabalhe na aproximação entre os diferentes sistemas, de forma a incrementar a mobilidade académica e a produção de conhecimento.

Não é, pois, de estranhar a apresentação de programa para reforço da língua portuguesa na região. Um dos maiores valores da Ibero-América é a pluralidade de culturas e línguas (quase mil línguas nativas), mas o empenho no português e no espanhol reforça uma comunidade de quase 800 milhões que tem na educação um enorme desafio. Visto de fora parece impossível. Visto de dentro é uma grande oportunidade.

* PROFESSORA UNIVERSITÁRIA

Outras Notícias