Opinião

Sibila para os nossos dias

Sibila para os nossos dias

É um dos acontecimentos culturais incontornáveis de 2022: o centenário do nascimento de Agustina Bessa-Luís. A celebração agita-se a Norte, sua região natural e de inúmeros vínculos biográficos e artísticos da escritora, mas estende-se muito justamente a todo o país e além-fronteiras. Sendo a mais nortenha criadora literária do século XX, a geografia humana de Agustina é inequivocamente universal. Os seus dramas morais e retratos das contraditórias relações humanas não conhecem fronteiras, nem épocas.

Pedindo de empréstimo o título da obra que a consagrou como "milagre" da literatura portuguesa, poder-se-ia dizer que Agustina encarna uma "Sibila" dos nossos tempos. Essa contemporaneidade é a sua força e o seu magnetismo, que tornam também imperativo este centenário, muito para além de um ritual vazio de celebração. Na sua obra encontramos chaves de leitura e debate sobre a identidade nortenha e a identidade portuguesa, mas também sobre temas universais e intemporais como o poder, o território, a linguagem ou o desejo, nas suas multiformes expressões e equívocos. Agustina é uma poderosa lente através da qual lemos e questionamos a nossa humanidade, o nosso lugar, o nosso Mundo. Os seus aforismos são cintilantes e complexas cristalizações de sabedoria e provocação. "Criar - escreveu - é, ao mesmo tempo, obediência e revolta".

O seu legado é, por outro lado, um manancial imensamente criativo e criador, como ficou expresso na relação da sua obra com o cinema de Manoel de Oliveira, mas não só. (Já este ano será a vez de "A Sibila" franquear o pórtico da sétima arte).

PUB

Este centenário - que junta, na sua organização e programação, sete municípios nortenhos, três universidades públicas, as entidades regionais de Cultura e Turismo, a Fundação de Serralves e a RTP, num consórcio liderado pelo Município de Amarante, e que a CCDR-Norte acarinhou - torna-se um excelente pretexto para revisitar a vida e obra desconcertantes e poderosas de sentidos de Agustina. E para quê? Para renovar leituras e diversificar os seus suportes, para ampliar leitores (abrindo-os especialmente aos mais jovens), para converter as suas paisagens e narrativas, personagens e palavras no milagre de novas criações.

Ao fazer isto, de modo estratégico e integrado, o Norte interpreta e sublinha a sua responsabilidade e vocação de território cultural e de criação. O mesmo é dizer, de região de futuro.

*Presidente da CCDR-N

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG