Opinião

Ideias para o novo ciclo político

Os principais partidos políticos preparam a usual "rentrée", quando se avizinha um novo ciclo eleitoral, nacional e europeu. Todos os partidos com aspirações eleitorais devem assumir, sem medo e sem complexos, um posicionamento claro em diversos domínios políticos, entre os quais o Futuro da Europa e das regiões.

Nos últimos tempos, temos assistido a desenvolvimentos de natureza geopolítica que causam perplexidade e inquietação, caso da crise dos refugiados e das fronteiras. Este canário reforça a necessidade de maior solidariedade e de maior coesão económica e social entre os países e as regiões. Mas, quando se reivindica maior coesão na Europa e no Mundo, entre as regiões mais e menos desenvolvidas, também importa olhar para o nosso próprio país, as suas regiões e as assimetrias territoriais.

Algumas medidas apresentadas em defesa da coesão do país têm sido contestadas por diversas figuras, um posicionamento legítimo que contribui para o enriquecimento do debate público. É vital que a agenda política inclua a necessidade de planeamento estratégico para o desenvolvimento social, económico e cultural do país. Adicionalmente, urge romper com a continuidade das assimetrias territoriais, pensar num modelo inovador de rutura com práticas instaladas, embora com alguns riscos.

A correção de políticas erradas do passado exige ainda que todos os territórios tenham acesso equitativo às verbas do estado nas diferentes áreas, caso da ciência e inovação, vital para a estratégia de retenção de talentos. Os fundos estruturais devem ser aplicados de forma adicional para se obter a ambicionada convergência inerente à política de aplicação de fundos nas regiões de convergência; a contribuição dos fundos estruturais não deve implicar a diminuição da despesa nacional nas regiões.

Dito isto, quando se perspetiva um novo ciclo eleitoral é vital que os partidos assumam compromissos e apresentem, de forma clara, as suas propostas para combater a inércia, o preconceito e a "fatalidade" das assimetrias entre um litoral pretensamente rico e um interior pobre.

*REITOR DA UTAD