Opinião

Mais Europa

A Europa confronta-se com novos desafios globais que não conhecem fronteiras, o que exige soluções convergentes tendo como base a ideia de uma Europa unida.

Esta é uma das principais linhas orientadoras da Plataforma de Cidadania "Nossa Europa", que agrega pessoas de diversos quadrantes políticos, ambicionando promover um novo espaço de debate e de aprofundamento sobre o futuro da integração política, social e económica.

A dimensão da crise que resultará do bloqueio das nossas economias exige da UE mais coordenação e soluções coletivas no estímulo à retoma económica. A presidente da Comissão von der Leyen foi clara ao expor os problemas da UE em que a capacidade de resposta de cada país é diferente. Daí, a necessidade de um instrumento comum que mobilize financiamento para todos os estados poderem dar resposta, evitando o agravamento das assimetrias na Europa.

É vital que os fundos europeus possam ser executados sem comparticipação nacional, mas também que o Governo faça opções para dar resposta à crise da Covid-19, diminuindo a intensidade em infraestruturas de resultados económico-sociais duvidosos. É vital apoiar investimentos estratégicos em cadeias de valor fundamentais para a autonomia estratégica da UE, não descurando a ciência, o conhecimento e a inovação para dar resposta aos desafios societais. Esta crise comprova a importância da digitalização e das tecnologias, não descurando as pessoas, ou seja, a equidade social e territorial, a cultura e o relacionamento social.

Nesta nova fase da Europa, deve estar na primeira linha a recuperação económica e social, tendo sempre em mente a evolução intergeracional, o que não é possível sem um sistema de ensino e ciência forte e equitativo.

*Reitor da UTAD

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG