O Jogo ao Vivo

Opinião

O desafio da demografia

O desafio da demografia

O país encontra-se numa encruzilhada, confrontando-se com desafios estruturais profundos que exigem ambição para ultrapassar os principais bloqueios da economia e da sociedade. Neste domínio, a demografia merece especial relevo, tanto ao nível da estrutura etária da população como da sua espacialização.

As projeções sugerem que Portugal tenha nas próximas décadas uma significativa redução populacional, com repercussões nas diferentes regiões. Ainda que nos últimos anos o dinamismo económico tenha mitigado a emigração e tornado o país mais atrativo para a imigração, está dependente dos saldos migratórios positivos nas idades centrais para ter algum dinamismo demográfico e para que o envelhecimento não seja tão intenso.

Foi neste contexto que o Conselho Económico e Social promoveu um debate alargado em torno dos desafios demográficos, defendendo que o apoio à natalidade não apela a uma política, mas antes a várias políticas coerentemente articuladas entre si. As escolhas em matéria de natalidade chamam a jogo diferentes dimensões da vida societária, nomeadamente ao nível do trabalho e rendimentos, dos encargos com os cuidados aos filhos e do acesso à habitação, educação e saúde. A este nível há que olhar para experiências de outros países e adaptar ao nosso contexto, na certeza de que são necessárias medidas estruturais e não apenas apoios pontuais.

PUB

Este problema apela a um olhar diferente para o território. Embora o envelhecimento da população seja transversal a todas as regiões, existem territórios mais envelhecidos do que outros, colocando sérios riscos a alguns setores de atividade e mesmo à sobrevivência de algumas regiões, enquanto espaços com vida e instituições próprias.

Este cenário exige delinear um programa estruturado de atração e fixação de população com impacto nas principais áreas económicas das regiões, sob pena de a coesão ficar em causa e, certamente, um futuro mais competitivo e sustentável do país. Somente um comportamento pró-ativo e responsável de todos nós pode impedir que isso aconteça.

*Docente universitário

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG