Opinião

Processo de difamação por ter afirmado que os touros sofrem

Processo de difamação por ter afirmado que os touros sofrem

Inês de Sousa Real, porta-voz e deputada do PAN, viu a imunidade parlamentar levantada devido a um processo de alegada difamação por ter referido, em julho de 2020, no Jornal da Noite da TVI, que o médico veterinário Joaquim Grave reconhecia o sofrimento do touro e que os touros só tinham aquele comportamento (investidas) porque não tinham opção de fuga. Esta referência foi feita para mostrar que mesmo alguém promotor e empresário da tauromaquia pode ter consciência disso.

Em entrevista e debate com Miguel Sousa Tavares, Inês de Sousa Real afirmou que a cultura não era imutável e que Joaquim Grave reconhecia que o touro sofre e que só investia porque não tinha opção de fuga.

PUB

Uma breve pesquisa revela que Joaquim Grave é aficionado da tauromaquia, ganadeiro, industrial das touradas e médico veterinário. Tanto ele como Hélder Milheiro, representante da Prótoiro (aparece na queixa como testemunha), representam interesses que a porta-voz do PAN tem enfrentado ao defender o fim do financiamento público da tourada e a proteção das suas vítimas: animais e pessoas.

A porta-voz do PAN foi diversas vezes ofendida e ameaçada, incluindo de morte, por ter defendido a causa animal e o fim da tauromaquia no referido programa, o que originou já a constituição de pelo menos um arguido.

Este processo de alegada difamação representa claramente uma tentativa de coação e de silenciamento político e a Assembleia da República teria a obrigação moral e ético-jurídica de a recusar prontamente.

A queixa-crime, a que se segue a constituição como arguida (conforme o ofício remetido pela procuradora do DIAP de Reguengos de Monsaraz), é um claro expediente para silenciar uma deputada eleita. No fundo, podemos dizer que se trata de um processo SLAPP (Strategic Lawsuit Against Public Participation) para sobrecarregar e amordaçar quem denuncia determinados lobbies, como o da tauromaquia, que o PAN e sua porta-voz têm enfrentado e continuarão a enfrentar.

*Dirigente do PAN

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG