Opinião

E essas férias?

Gosto de Lisboa no mês em que a maioria dá as chaves a um amigo para lá ir regar as plantas, mas devido ao trabalho, comecei a fazer férias em agosto, como um bom português e devido à pandemia, viajei de carro por aldeias de Portugal, como um bom português emigrado em Andorra.

Vá para fora, cá dentro. Um slogan com mais de 25 anos. E que é o que muitos de nós temos feito neste último ano e meio. Tem sido uma excelente oportunidade para descobrir o nosso território porque, como dizem os mais velhos "Não há país como o nosso" e "vão lá para fora e não conhecem Portugal".

Sair, por uns dias, do espaço que nos fez redefinir a expressão "parece que vivo no trabalho", foi urgente para a sanidade mental e decidir passá-los em Portugal deu a todos uma sensação de segurança. Pelo menos a mim. A prova disso é que, na ÚNICA vez que saí do país, ia morrendo. Foi na Isla Mágica de Sevilha. E não, não ia morrendo nas diversões. Não, ninguém vomitou em cima de mim depois de uma viagem nos Los Toneles. Ia morrendo porque alguém fez cocó ao meu lado, numa das piscinas do parque. Poupo-vos os detalhes.

As férias em Portugal são a única altura em que, quando vou a um daqueles restaurantes da categoria "conheço aí um sítio que tens mesmo de ir", como sempre o queijo Queru e a pasta de sardinha Mana. Já experimentei comprar lá para casa, mas não sabe ao mesmo. Falta aquele travo a 5€ o couvert.

Também, sempre que posso, prefiro conduzir pelas estradas nacionais e este ano, posso não ter visitado muitos museus e edifícios históricos, mas vi imensas obras. Aliás, notou-se bem que é ano de eleições, especialmente nos amortecedores do carro.

E desfrutei do fenómeno da Internet em localidades. É quase romântico para quem está de férias porque de repente pode "desligar do stress e conectar com a natureza, percebes? Voltar às raízes!" mas um inferno para quem lá vive e quer estudar, ir às redes sociais ou ver aquela partida de futebol que só passa em canal codificado.

Este ano, fui a sítios novos e voltei a lugares favoritos. Tenham calma. Não vou ser aquela pessoa que vos convida para jantar em setembro para vos mostrar as fotografias que tirou das férias só para vos esfregar na cara a pulseira do all-included em Maiorca. Ou Menorca. Sei lá. Pelas fotos é tudo igual.

PUB

Vou ser antes a pessoa que diz as verdades que têm de ser ditas. Nós não sabemos ir de férias. Temos de ser fortes e encarar isto. Não sabemos. Somos muito trabalhadores, sim senhor, mas ir de férias é uma coisa que ainda não aprendemos.

Para começar, a preparação: Ninguém precisa de levar um frigorifico, um compressor e um colchão de dois metros por três. Já aí poupam no espaço da viatura, para os mais pequenos não terem de ir a fazer dança contemporânea nos bancos de trás. Depois o estacionamento: Tudo bem que até têm um carro que arranca bem em segunda, mas talvez o melhor lugar para estacionar não seja exatamente colado à bandeira do nadador-salvador.

Por falar em lugar, vamos já às pessoas que guardam o lugar na praia. Vocês sabem quem são. Contribuintes que acordam às cinco da manhã para espetar um chapéu de sol no areal, como quem diz "sou o Pedro Álvares Cabral, encontrei este areal e vou chamar-lhe meu". É que depois uma banhista chega à praia, vazia de gente, quer pôr a sua toalha num dos 943 quilómetros de costa portuguesa e não tem espaço, pois está um pinhal de chapéus de sol da Nicola a ocupar. Para mim, era fazer como o eucalipto e arrancar.

E não é uma atitudezinha exclusiva a turismo de praia. Por exemplo, este ano, fui até ao Gerês e estive quase sempre no terreno da vivenda Silva, em convívio com sua família alargada e 34 boias, onde por acaso também calhava em ser a cascata do Tahiti.

Depois de termos quase andado à pancada com um casal que já vai para ali de férias desde 1985, e finalmente nos deitamos, é tempo de fazer uma oração à Santa Paciência para conseguir lidar com grupos de jovens que se fazem acompanhar de colunas portáteis. Como é que é suposto eu relaxar, se de repente tenho 74 anos e estou a pedir-lhes para que baixem a música?

*Humorista

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG