Opinião

A mulher cuidadora e um Mundo mais solidário

A mulher cuidadora e um Mundo mais solidário

Hoje a mulher assume inúmeras funções sociais, sendo ainda considerada em termos culturais como a principal cuidadora, seja dos filhos, ou pais idosos.

Aqui reflete-se essencialmente na mulher, principal cuidadora dos pais idosos, que não visa deixá-los entregues a terceiros. Tal situação, agregada ao desenvolvimento da atividade profissional, gera nestas mulheres sentimentos de ambivalência, e fragilidade que conduzem a situações de stress, burnout ou mesmo depressão. A circunstância de ser vista como principal cuidadora dos pais idosos, necessitados de cuidados, não podendo, e muitas vezes nem querendo deixá-los aos cuidados de terceiros ou em lares, é fator emocionalmente exigente para as mulheres que podem sentir dificuldades em conciliar tais cuidados com a atividade profissional como verdadeiramente desejariam, gerando frustração.

Vivemos numa sociedade pouco solidária, onde o isolamento é cada vez maior, e onde a existência dessas dificuldades nas mulheres cuidadoras pode ser vista como sinal de fraqueza gerando inerente culpabilidade.

Nesse sentido, a promoção concreta da igualdade de direitos e deveres entre homens e mulheres, bem como o reforço em cuidados mais humanizados aos idosos, pode fazer com que tais problemas se atenuem, beneficiando cuidadoras, idosos, famílias e toda a sociedade.

Mas, ainda de maior premência para tais resultados, com vista a uma sociedade mais justa e mais igualitária onde todos os seres humanos sejam realizados, centra-se em mudanças individuais de condutas, no modo como reparamos em quem nos rodeia, com maior atenção e empatia, pois a compreensão e o respeito pela situação de vida individual de cada um de nós mostra-se interligada com a dos restantes. Deste modo, há que começar a olhar, uma vez que essas mulheres sofrem nos múltiplos papéis que desempenham sendo-lhes exigível que todos sejam exercidos de modo perfeito.

Só a solidariedade pode levar a que se consiga alcançar um Mundo mais humano, e se todo o jovem precisará de cuidados na idade, a sociedade necessita tanto de cuidadores como de idosos, menos isolados, melhor cuidados, e sobretudo amados.

* Vogal da Associação de Juízas Portuguesas

Outras Notícias