Opinião

Doentes oncológicos enfrentam crise devido à Covid-19

Doentes oncológicos enfrentam crise devido à Covid-19

Recentemente, um estudo matemático internacional demonstrou a possibilidade de que, em Portugal, o pico da epidemia pode já ter passado.

Para nós, médicos que trabalhamos com doentes oncológicos, esta notícia traz um rasgo de esperança num regresso próximo a uma normalidade em que possamos, pelo menos, voltar a prestar aos nossos doentes os cuidados de saúde que eles precisam. O surto de infeção por Covid-19 obrigou ao adiamento de todas as consultas consideradas não urgentes e ao cancelamento/adiamento de cirurgias e tratamentos de quimioterapia. Para proteger pacientes e profissionais de saúde, aplicaram-se planos de contingência que ditaram que apenas se realizem intervenções urgentes. As consultas foram adiadas, exames deixaram de ser feitos e passamos a acompanhar a maioria dos doentes via teleconsulta. Isto acontece quer no setor público quer na maior parte do setor privado, onde muitos serviços foram simplesmente encerrados por tempo indeterminado.

Se contarmos os milhares de doentes que diariamente se deslocam a centros de tratamento oncológico, podemos imaginar quantos doentes estão neste momento sem receber tratamento ou diagnóstico, quando um período de um ou dois meses pode fazer toda a diferença para o diagnóstico e mesmo para o sucesso na cura de uma doença oncológica.

Toda esta incerteza provoca uma enorme ansiedade nos doentes e nas suas famílias e nós médicos sentimo-nos, neste momento, totalmente impotentes e sem recursos. É preciso que, apesar da Covid-19, os doentes com cancros curáveis possam continuar a receber os seus tratamentos. Todos os dias ouvimos várias notícias sobre o impacto desta crise sanitária, mas nada refere o seu impacto nas condições de saúde dos doentes oncológicos.

Vamos acreditar que o pico da infeção provocada pelo novo coronavírus já passou e que tudo irá rapidamente regressar ao normal. Porque a não ser assim e a manter-se o atual estado de assistência em oncologia, vamos ter uma curva acentuada de mortalidade nos próximos meses ou anos e não será a dos doentes com Covid-19.

* Médico urologista, especialista em Urologia Oncológica

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG