Opinião

Escola, doce lar

Certas divisões dos lares dos nossos alunos e professores transformaram-se, por estes dias, em autênticas salas de estudo. Responsavelmente, e com o apoio dos seus pais e encarregados de educação, os discentes têm desenvolvido com afinco os exercícios propostos que, por serem em número elevado, implicam a necessidade daquela pequena ajuda da parte dos mais velhos para que sejam cumpridos.

O(s) computador(es) da família nunca foram tão utilizados, implicando, na maioria dos casos, reserva prévia para que, de forma disciplinada, cada membro os possa usar sem sobreposição horária. Quem diria!

A educação à distância não separou as pessoas, mas, antes, uniu-as numa frente comum. Sente-se maior solidariedade, compreensão e disponibilidade de todos para todos, fulcrais numa sociedade que caminha(va), a passos largos, para uma crescente ausência de valores nobres, onde o egoísmo e a indiferença marca(va)m o dia a dia.

E, apesar destes reencontros, os nossos alunos já sentem saudades da escola!

Faltam-lhes - também aos professores, aos técnicos especializados, aos assistentes técnicos e aos funcionários - o buliço dos dias, as interações das salas de aulas, as descobertas nas bibliotecas, os cheiros e os sabores das cantinas e refeitórios, o companheirismo das salas dos professores, o convívio, a conversa presencial com os colegas, as rotinas, os furos, as pequenas traquinices, as piadinhas, o gesto empático do Mestre, os recreios onde correm, jogam à bola e esfolam os joelhos, o ambiente único de um local de aprendizagem que marca a memória de quem passa pela escola.

A modalidade de teletrabalho, imposta por imperativos de salvaguarda da saúde, está inerente a uma fase transitória da vida do ser humano e das escolas, perspetivando-se o regresso a um espaço que os nossos alunos aprenderão a apreciar mais, onde a palavra "camaradagem" terá um significado mais profundo e o papel do seu professor um valor inalienável.

A escola verá a sua responsabilidade acrescida perante uma sociedade exigente, porém consciente da missão que esta desempenha, admirando-a e respeitando-a, porque, estejamos certos, ela apresenta-se, quantas vezes, como a nossa segunda casa!

*Professor/diretor

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG