Opinião

Atividade física e rendimento académico

Atividade física e rendimento académico

O ano letivo começou bem e com tranquilidade. Um bom início é importante para alunos, professores, famílias e sociedade. Contudo, melhor que um bom início de ano letivo talvez seja um bom final de ano letivo. Terminar bem significa que os alunos adquiriram as competências definidas. Assim, para que sejam bem-sucedidos, é importante que tenham uma alimentação saudável, boas noites de sono, que estejam com atenção nas aulas, ou que estudem em casa, entre outras. Devemos aqui acrescentar a prática de atividade física (que pode ser jogar futebol, brincar no recreio, treinar num clube ou participar nas aulas de educação física).

Os resultados de uma recente investigação mostram que a atividade física, principalmente com intensidade moderada a vigorosa, aumenta a oxigenação do cérebro, os níveis de endorfinas, estimula o desenvolvimento dos neurónios e melhora a qualidade do sono. Está ainda associada à redução do stresse e melhoria dos estados de humor. Além das reações orgânicas, contribui ainda para a melhoria do comportamento, concentração nas aulas e memorização. Tudo isso, naturalmente, potenciará as aprendizagens e logo poderá ter um efeito significativo no rendimento académico.

Todavia, existe ainda quem considera que se deve reduzir a oferta escolar de atividade física, para melhorar o rendimento académico dos alunos nas restantes disciplinas. Um exemplo: recentemente, a carga horária de Matemática e Português aumentou. Por outro lado, os alunos do Ensino Secundário que tinham 180 minutos de Educação Física por semana passaram a ter 150 minutos. A redução do tempo da Educação Física também se verificou em muitas escolas que têm o 3º Ciclo do Ensino Básico. Essas medidas que foram tomadas para alegadamente aumentar o rendimento académico dos alunos, podem ter um efeito contraproducente. Na verdade, se o tempo de atividade física for aumentado, poderá precisamente potenciar o rendimento académico, como a literatura científica tem demonstrado.

Considerando o potencial que representa para a saúde dos mais jovens (melhoria da aptidão cardiovascular, densidade mineral óssea, prevenção da diabetes e obesidade) e para a sua cognição, a atividade física pode e deve ser promovida nas escolas. Todos os alunos têm obrigatoriamente a disciplina de Educação Física. Logo, a carga horária dessa disciplina deverá ser suficiente para dar um contributo significativo para o aumento dos níveis de atividade dos alunos, sendo um instrumento fundamental para a promoção da saúde. Na escola existe ainda o desporto escolar, que oferece aos alunos a oportunidade de praticarem uma modalidade do seu agrado, podendo também potenciar aprendizagens que perduram ao longo da vida. Por último, há ainda os recreios, onde os alunos podem ter práticas de lazer ativas.

O ano letivo começou bem, pode continuar bem e pode terminar bem. As escolas são importantes para a formação dos alunos, mas se essa formação não incluir a promoção da saúde é uma formação deficitária porque a saúde é um recurso fundamental para percorrermos da melhor maneira o caminho da vida. Desta forma, a atividade física deve ser promovida, sem qualquer receio de ser nefasta para o rendimento académico.

PROF. FAC. DE MOTRICIDADE HUMANA DA UL

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado