O Jogo ao Vivo

Opinião

Donos disto tudo!

Os resultados dos exames escolares têm um peso absoluto no panorama educativo nacional, face à importância, a maior parte das vezes decisiva, nas diversas situações em que são convocados.

Apresento quatro que requerem uma abordagem mais equilibrada:

1. Acesso ao ensino superior - Comodamente, as instituições do Ensino Superior apropriam-se dos resultados do Ensino Secundário, enquanto que diversos países da Europa escolhem não utilizar o diploma de conclusão de estudos ou consideram-no concomitantemente com outros critérios (realização de entrevista, aplicação de testes de admissão,...);

2. Aprendizagem para os exames - A forma como se estrutura o Ensino Secundário potencia um sentido único, refém das classificações destas provas e que motivam três anos de preparação excessivamente intensiva, desvalorizando um ciclo de estudos, esvaziando-o da sua suprema finalidade;

3. Ranking das escolas - Usar só uma fonte, porque construído com base apenas na média dos resultados dos exames, ignorando critérios essenciais, distorce a realidade e torna-se um instrumento perigoso e injusto para as escolas, ludibriando-as, caso não percecionem a limitação intrínseca;

4. Explicações - Incrementadas sobremaneira no Ensino Secundário, embora as escolas consigam, cada vez mais, disponibilizar os apoios necessários, são facultadas pelos encarregados de educação, sobretudo os mais abastados, gerando um aumento de desigualdades, comprometendo a equidade.

Com honras de tirania, os resultados dos exames ditam tendências constrangedoras e fomentam indesejadas assimetrias. Impõe-se, assim, a urgência de debate sério, que os coloque no seu lugar devido, o da relatividade.

*Professor/diretor