Opinião

IP3: um futuro que já tem presente

IP3: um futuro que já tem presente

Muito se tem falado sobre a requalificação do IP3. Mas também muito do que tem sido dito é ruído ou contrainformação. Enquanto deputado da Assembleia da República, tenho acompanhado de perto o projeto. Conheço bem o que está previsto, o que está em curso e o que vai ser feito.

O IP3 liga Vila Verde da Raia à Figueira da Foz. Se a maior parte da sua extensão tem perfil de autoestrada, com portagens, o troço entre Viseu e Coimbra é o único com perfil de via rápida. A requalificação do IP3 significa, portanto, duplicar, onde for tecnicamente possível, as vias entre Viseu e Coimbra, dotando este troço o mais possível de perfil de autoestrada, sem penalizar os utilizadores com mais portagens. O objetivo é melhorar as condições de segurança de circulação e aumentar a capacidade de um eixo de extrema importância para a mobilidade de pessoas e bens, inserido na Rede Rodoviária Transeuropeia.

Como qualquer obra, também esta obedece a diferentes fases de execução, garantindo sempre que a via se mantém circulável, embora com perturbações que lamentamos. Assim, os trabalhos serão realizados por cinco troços, estando ainda previsto o estudo prévio de uma variante em Santa Comba Dão. Porque a prioridade deve ser dada aos troços com maior sinistralidade, a obra vai começar nos eixos que ligam Viseu a Tondela Norte e Tondela Norte a Santa Comba Dão.

Para garantir que as vias suportam as intervenções previstas, há todo um trabalho prévio de manutenção em curso. É isso que vemos hoje ao circular, por exemplo, entre o nó de Penacova e o nó da Lagoa Azul. Uma obra que fica concluída ainda neste mês de abril. Depois disso, no verão, serão incorporadas no projeto de requalificação as recomendações de impacto ambiental que estão a ser finalizadas. Prevê-se, então, que a primeira empreitada tenha início no final deste ano, devendo a obra estar totalmente concluída em 2024.

Deixámos a fase das ideias e dos estudos. A requalificação do IP3 está em execução e vai ser concluída. Quem diz o contrário só pode não estar devidamente informado. No IP3, está-se do lado da solução. Uma solução de futuro que já tem presente.

*Deputado da Assembleia da República

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG