Análise

Passado vs futuro: quem venceria o duelo

Passado vs futuro: quem venceria o duelo

O futebol tem evoluído de uma forma supersónica, desde a década de 1990 até aos dias de hoje. Temos assistido a uma transformação metodológica, tecnológica e científica sem precedentes. O jogo está diferente, as táticas foram aprimoradas e a tecnologia de apoio e suporte ao treinador está a atingir um nível "metafísico."

O treinador do passado adquiria a experiência vivida enquanto jogador e posteriormente desenvolvia as suas capacidades intuitivas provocadas pelas dificuldades e obstáculos que surgiam diariamente. Era uma constante descoberta pelo conhecimento de causa, tudo era testado, sentido e validado pela mais pura perceção humana.
As decisões eram tomadas com base no procedimento intrínseco do treinador, erros e acertos ficavam gravados no córtex neural, a experiência acumulada servia de cálculo imediato para todos os momentos decisivos, o único suporte existente era a sua intensa conexão cerebral com todos os acontecimentos.

O quadro tático manual e a comunicação com o além eram a tecnologia de ponta do passado, a intuição do treinador era refinada e recheada de conhecimento. Continuo dizendo que os maiores génios do mundo vieram do passado e até ao momento atual não voltaram a surgir congéneres, pois sem suportes e auxílios tecnológicos o nosso cérebro transcende na máxima plenitude.

Atualmente, o treinador caminha por estradas que foram abertas pelos seus antecessores, a ciência que estuda o futebol permitiu que as metodologias fossem melhoradas e a tecnologia aliou ferramentas de suporte que permitem ao treinador descansar o seu cérebro, obtendo dados que seriam impossíveis de obter no passado.

Tudo isto possibilita ao treinador de hoje um controlo quase absoluto de todas as componentes intrínsecas e extrínsecas referentes à sua equipa, ao seu adversário e ao jogo, uma mais valia absoluta que permite reduzir a margem de erro quase a zero.

Existem softwares de gestão e análise individual com inteligência artificial, GPS, vídeo e dados estatísticos conectados em rede como nunca antes se viu. Brevemente teremos softwares que irão determinar a melhor tática em função dos dados recolhidos por toda esta tecnologia de ponta, um autêntico laboratório.

Porém, todas estas mais valias fantásticas que permitem ao treinador conceber uma estratégia exímia e soberana perante o adversário, certamente lhe retiram a intuição cognitiva da sua glândula pineal, o chamado terceiro olho. O treinador de hoje é um génio do treino comparativamente ao treinador do passado, contudo, não creio que sejam mais geniais que o treinador do passado no que diz respeito ao controlo do jogo. Não conheço nenhum software de inteligência emocional, a chave de sucesso para vencer um jogo.

PUB

Do que seriam capazes os génios do passado como Pedroto, Bobby Robsson, Johan Cruijff com a tecnologia e o conhecimento de hoje? O que fariam os treinadores de hoje se fossem transferidos para o passado?
Terão os treinadores atuais desenvolvido capacidades para se um dia a rede for abaixo? Quem venceria?

Positivo

O constante avanço tecnológico tem permitido a criação de variadíssimas ferramentas de trabalho extraordinárias. A investigação científica no futebol tem transportado a modalidade para um patamar de excelência, tanto no jogo como no treino.

Negativo

Tecnologia excessiva no futebol pode levar a grandes dissabores no futuro. O futebol é humano e nós estamos a mecanizar. As portagens já não têm empregados, cuidado com a evolução, pois um dia pode não ser necessário uma equipa ter treinador.

*Treinador

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG