Opinião

Ser e parecer

À justiça desportiva pede-se o mesmo que à mulher de César: não basta ser, é preciso parecer.

Nunca é demais recordar o escrutínio a que o futebol está sujeito e, por arrastamento, todos os agentes que gravitam em torno desta atividade. Valores como o desportivismo, a transparência e a ética devem constituir-se como faróis orientadores para todos os agentes desportivos. Discrição, eficácia, competência e, particularmente, celeridade são pedras basilares no edifício da justiça desportiva.

Tão importante como a eficácia, impõe-se um difícil, mas obrigatório, exercício de reserva capaz de, tranquilamente, nortear o funcionamento das instituições evitando ruído desnecessário. Os artistas estão e estarão sempre no campo, nunca fora dele. Esse é o maior contributo que a justiça desportiva pode oferecer à indústria.

PUB

Decisões mais céleres e processos tramitados com maior rapidez, com prazos médios de investigação e instrução menores, caracterizam as instituições capazes de darem respostas firmes a competições cada vez mais exigentes. A Liga Portugal assumiu prestar um contributo atempado, implementando um novo modelo e uma nova composição da Comissão de Instrutores, já em funcionamento, num formato de exclusividade e totalmente profissionalizado.

A tramitação dos processos por parte da Comissão de Instrutores, o equivalente ao Ministério Público da justiça desportiva (de onde os processos seguem para o Conselho de Disciplina da FPF, o órgão que aplica os regulamentos disciplinares), tem sido célere e discreta, mesmo perante casos que envolvem complexidade e sensibilidade.

Fá-lo sempre com tranquilidade e sem ruído. Porque não basta ser, é preciso parecer.

A subir
A reunião da APCVD com a Liga Portugal e as federações foi um passo importante contra fenómenos de violência associada ao desporto. Uma luta transversal a todas as modalidades.

A descer
Um jogo à porta fechada é sempre um castigo injusto para todos os adeptos. Um cenário triste, a inverter com medidas a montante e para as quais todos somos chamados a contribuir com o nosso exemplo!

*Assessor jurídico da Liga Portugal

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG