Opinião

Talento quantificável

Talento quantificável

Números. Têm-nos entrado casa dentro todos os dias, preocupantes, crescentes, alarmantes. Mas há também os encorajadores, entusiasmantes, impactantes e é nesses, para variar, que importa que nos foquemos por agora.

O Talento do futebol português é o denominador comum nesta equação com diversos protagonistas, com natural relevo na segunda edição da revista "Liga-te em Números", que traz à capa Abel Ferreira, treinador que foi o primeiro a garantir duas conquistas consecutivas da Libertadores em 20 anos e o primeiro, em 28 anos, a ser bicampeão da prova em clubes brasileiros.

Em declarações exclusivas à publicação, o técnico do Palmeiras sintetizou na perfeição: "Somos um país pequeno, mas com muito talento". Nem mais. E isso vai sendo comprovado a cada passo e só nos pode encher de orgulho. Foi, por isso, distinguido com naturalidade com o prémio Talento que Marca o Mundo de novembro pelos Embaixadores da Liga Portugal.

Mas há mais números a levar em linha de conta. Como os 2000 jogos cumpridos pelo Braga na Liga Portugal Bwin diante do Portimonense, à 10.ª jornada. Um número redondo que ganha ainda maior relevância pelo facto de, à exceção de Benfica, F. C. Porto e Sporting, totalistas, com 88 épocas consecutivas, ser o Braga a equipa que há mais tempo compete de forma ininterrupta no principal escalão competitivo nacional. Além da presença de Famalicão e Belenenses SAD no top 10 das equipas mais jovens da Europa.

Números. Factos. O Talento do futebol português é indesmentível. Basta comprová-lo.

Positivo

A uma semana do arranque da Final Four 2022, e mesmo com todos os condicionalismos aos quais nos obrigamos na defesa da saúde pública, é sempre bom saudar o regresso da festa do futebol. E com adeptos. Os quatro finalistas, Benfica, Boavista, Sporting e Santa Clara merecem-no!

PUB

Negativo

O Futebol Profissional, diria que o país, merecem consistência nas decisões tomadas, seja na saúde, na economia ou na justiça. É impossível continuarmos reféns de decisões unilaterais, sem plano e base, que colocam em isolamento profilático um plantel, quando outros, em regiões diferentes, mas com os mesmos motivos, continuam a trabalhar.

*Diretor-executivo da Liga Portugal

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG