Opinião

Tragam-no de volta!

Roma assistiu ao pontapé de saída de uma competição especial, com um ano de atraso, durante 31 dias, 11 cidades de 11 países, 24 equipas vão jogar o Europeu de 2020.

Em boa hora, o Euro vai contar com adeptos e se na génese deste europeu estava o espírito de globalidade, que a UEFA quis transmitir, na verdade restaram as cidades cujos governos permitiram a entrada de público, ainda que de forma condicionada. A mesma solução pela qual lutámos, com os clubes e FPF, e à qual o Governo respondeu com 33% de entrada nos estádios. O início do caminho!

Mas voltemos ao Euro e o que representa na carreira de cada um dos intervenientes. Poder estar numa fase final é um marco inesquecível. Para mim e para a minha equipa, em 2012, em Kiev, apitar o derradeiro jogo da prova, entre Itália e Espanha, foi viver o auge de adrenalina que um atleta pode experienciar.

Agora entre os adeptos, onde conto estar no Puskas Arena no jogo inaugural de Portugal com a Hungria, e com esta nova responsabilidade de liderar o Futebol Profissional, vivo a experiência de forma diferente mas com a mesma crença de que quem vai para o relvado honrar o seu país, viverá uma sensação única. Serei mais um a vibrar com a Seleção, que há cinco anos encheu o país de alegria. E estou certo que os 26 selecionados que embarcaram nesta aventura com o meu amigo Fernando Santos nos vão encher de orgulho.

Orgulho que já manifestei, também pela equipa de arbitragem que irá defender o nome de Portugal neste Europeu. Aproveitem, é memorável! A bola já rola e está tudo alinhado para que os nossos maiores talentos, cumpram a promessa e voltem a trazer o troféu de Campeão para Portugal!

*Presidente da Liga

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG