Opinião

Covid-19: vamos deixá-los morrer?

Covid-19: vamos deixá-los morrer?

Em Portugal há cerca de 2 milhões de pessoas com mais de 65 anos gravemente em risco de serem atingidos pela Covid-19.

Acresce que os nossos seniores são, no contexto europeu, dos mais frágeis. O valor médio anual das pensões de velhice, invalidez ou sobrevivência pagas pela Segurança Social (Pordata, 2017) é de 382 euros /mês!!

A operação Censos Sénior levada a cabo pela GNR em outubro de 2019 sinalizou 41 868 seniores a viverem sozinhos e geograficamente isolados na maioria dos casos.

Segundo os últimos números publicados pelo Instituto de Segurança Social, estão institucionalizados 78 mil idosos e 76 mil recebem apoio domiciliário.

No Norte do país, foi muito evidente o potencial de reconversão de operárias (são esmagadoramente mulheres) de fábricas que fecharam para o serviço de apoio aos lares depois de uma rápida formação em geriatria...

Quer isto dizer que muito dificilmente este exército de devotadas prestadoras se apercebeu atempadamente do potencial de contágio que representam para todas as comunidades de idosos que servem. Tanto no caso dos serviços internos (em lares, centros de dia ou de noite) como dos serviços (apoio domiciliário).

A bomba biológica que em Itália terá sido um jogo de futebol pode bem ser em Portugal o serviço de apoio a idosos. Abstenho-me de comentar os efeitos potenciais desta sentença de morte para quem está, hoje, preso nestas estruturas.

É urgente que o Governo e as autarquias se organizem para um plano generalizado de testes a estas comunidades e para a reorganização do respetivo acolhimento no caso dos não infetados e para a monitorização/internamento urgente dos infetados.

É difícil conceber o racionamento de ventiladores. Mas é impossível conviver com a resignação sobre os efeitos devastadores que esta situação terá sobre os mais velhos, mais indefesos, mais dependentes.

A recordatória sobre planos de contingência e o apuro da regulamentação são o lavar de mãos de Pilatos que jamais deixou de pesar na história da Humanidade.

*Analista financeira

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG