Opinião

Ninguém morre por esta Europa!

Ninguém morre por esta Europa!

Esta frase, imortalizada por Eduardo Lourenço, que hoje faz 96 anos, ressoa com a máxima força por estes dias em que nos preparamos para mais umas eleições europeias.

Por todo o lado a sensação de chicana partidária. Crises forçadas, escorregadelas e sustos (a greve dos combustíveis foi-o) são o motor da nossa "agitprop".

Na rua os cabeças de lista entregam-se, com evidente enfado, a uma espécie de volta a Portugal dos pequeninos onde as pessoas que surpreendem têm mil vezes mais dignidade, mesmo na ignorância que tantas vezes exibem.

Desprende-se de cada cabeça de lista a imagem de quem faz uma careta para tomar um remédio que é amargo, mas que se engole num instante.

E convenhamos que têm razão. Os cabeças de lista estão eleitos por natureza. Já conhecem ou imaginam bem o conforto dos "beaudoirs" burocráticos por onde se moverão nos próximos cinco anos. O resto da lista fez, que se veja, apenas o esforço de um sorriso para uma mão-cheia de cartazes.

Esta é a versão oficial da campanha. Se outra houver, mais interessante e mais eficaz, está deveras escondida.

Para piorar o ambiente, António Costa terá participado num vídeo com Macron para a criação de uma nova família política europeia que reuniria todos os democratas e liberais europeus.

Ao fazê-lo, Costa, dizem vários analistas, manteria um pé em cada um dos dois centros de poder que poderão vir a acelerar a sua carreira política internacional. Ou se mantém no Partido Socialista Europeu e reforça a sua influência enquanto representante de um dos mais poderosos partidos socialistas europeus (os partidos socialistas europeus estão virtualmente extintos), ou transfere para a nova ala do Parlamento Europeu os seus eurodeputados eleitos e Macron ficar-lhe-á grato.

Ter estas hipóteses a tão curto prazo pode não ser mau se a maioria absoluta nas legislativas for uma miragem e se a "geringonça" for uma prótese difícil de atarraxar pela ambição do BE ou pelo sentido crítico do PCP que não pára de perder com a experiência.

*Analista financeira