Opinião

O Kelbim, p'ra Serralves

O Kelbim, p'ra Serralves

Reparem bem: foi ao estilo fadista-vadio que Varela recuperou o esférico no meio-campo por alturas da circunvalação direita do grande círculo, avançando então para a rotunda da boa vista, e aí, ainda sem metro nem TGV que lhe valessem, Varela, a butes e sem mais pinga de força, passa a bola para o lado meio-esquerdo do Benfica onde havia um desfiladeiro pouco habitado de vermelhos.

Varela, o molengão criativo gringo gingão, entrega a seguir a joia do bolhão aos dois índios camuflados de azul do lado de lá. Em porte de guerra, eles: o Crista-Alta, também conhecido por 'O Kelbim' e adiante o agora rebatizado de Lied-são.

Por sua vez, e citando o mestre das redundâncias criativas, Gabriel Alves, algo vai acontecer que desequilibra a lógica da tática e a tática da lógica: O Kelbim, personagem com a alma dos felizes, dos que não pensam muito, avança. Tanto podia mandar a rechonchuda para o calabouço do presépio como para a cabeça do Macaco.

Para quem não viu mil vezes está tudo escrito no vídeo da Sport TV (que notável transmissão!). O Kelbim, fora do tempo de Greenwich, à chegada do primeiro defesa solta a garça na marginal, rumo ao usado Liedson, o tal que a gente nunca percebeu porque cá veio parar - meia época como se fosse meia de leite, mas descafeinada. Quando ele entrou qualquer morcão perguntava: o Liedsom? Fosga-se, com tanto homem direito no Semide e parecemos a ortopedia do Santa Maria... - que ficassem em Lisboa!!! Só faltaba mesmo entrar o Ismailob!!!

Mas mestre q'é mestre é assim. O Vítor subiu uns furos na consideração do Tribunal. Fez lembrar o Oliveirinha - qual plano tático, qual metodologia... Metia os mecos certos a 15 minutos do fim e o Porto desempatava o que estava encravado nos 75 minutos anteriores. Com quem é que aprendeu? Com o velho Pedroto: se não chove, entra o Seninho. E tau, e pimba. O Vitor estava nessa: milagre tipo Cafarnaum, mas sem Jesus: até mancos, idosos e malucos ficam bons quando vestem a camisola do dragão!

O Kelbim... p'ró Liedson... que vê que a bola a vir... e deve ter aprendido aquilo no Sporting - parecia uma bailarina do Bolshoi em bicos de pés rumo à linha da esquerda, anda-me acaçar ó Luisão, e depois, quando lhe chega a ogiva nuclear, 90m54s, adorna 74 graus à esquerda e passa o peso do mundo de novo ao Crista Alta, Apache do Mundo. O Kelbim.

Não estava escrito em nenhum compêndio de futebol, nem mesmo no do Madjer: quem-como-porquê pode em dois segundos dar uma aula de física, fazendo a bola descrever ao primeiro toque a arcada elipsoidal da mãe-Terra, o dia nasce e termina naquele avanço?

O Kelbim apalpou na redondinha com o pé direito rumo a Sul aos 90m56s. E fez surgir o Apocalipse e os Anjos aos 90m57. Peito de pé esquerdo, gravidade zero, e foi. Ele também foi com a bola para dentro da baliza em alma e voltou. Vapt-Vupt. Roderick, o defesa face-do-medo do ai Jesus, galopava ao lado do menino índio e só acordou quando um relâmpago relinchou das botas d'O Kelbim. Artur não podia prever a façanha: inovação é isto. Quando Artur voou, may-day, may-day: guarda-redes em desastre aéreo (todas as terças, no National Geographic).

É, enfim, a Arte. Não há em Serralves nenhuma obra moderna cujo efeito da diálise homem-peso-espaço tenha a aerodinâmica de O Kelbim entre o momento em que a bola chega e a bola parte, chutada com a afinação de Lá Maior, o som do mundo, o momento zero da voz humana e do Cosmos, o Ooooommm dos mestres yoguis. "Gooollloooommmm", o som deste universo. A pá vermelha de Serralves merece a parelha da pluma de O Kelbim. Ele voa, ela afunda.

Domingo se verá se conseguimos meter o estratosférico no psiché do Paços e voltar com ele para a Avenida e para a Baixa, a tal que precisa de ser reabilitada. A tal onde o povo não tinha varanda e honra para os títulos. Agora, o presidente da Câmara queria índios para sair contra o Terreiro do Passos porque ai ai ai, vão deixar falir a Sociedade de Reabilitação Urbana... É tarde: o Porto pertence aos que fazem acontecer as coisas pela persistência, pela Arte e não pelo medo. Os pequenos e grandes Kelvins. É como se renascêssemos.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG