Opinião

Passos: Relvas ou o país?

Passos: Relvas ou o país?

Pedro Passos Coelho tem uma só oportunidade de atenuar a perda de credibilidade política enquanto primeiro-ministro: ou faz Relvas sair em agosto ou fica irremediavelmente ligado à ideia de que é refém de um grupo de interesses indissociável de si. Pais, alunos, professores, analfabetos, doutorados, mas também gente que faz leis e cumpre leis, enfim, a generalidade do país, não aceita este pressuposto de que vale tudo, principalmente em algo tão estrutural quanto o mérito e a ascensão social.

Os pais que pagam os cursos aos filhos sentem-se traídos quando veem os miúdos horas a fio a estudar para que, depois, alguém avance na vida apenas porque tem um cartão partidário. Melhor do que entrar na faculdade é entrar num partido político? Não reagir contra esta prática é aceitar a corrupção da democracia como coisa natural. É aceitar as licenciaturas por decreto. É destruir a credibilidade das licenciaturas nas universidades portuguesas, sobretudo nas privadas.

É verdade que há quem não valorize se o ministro Relvas tem ou não um canudo mas essa não é a questão de fundo. Interessa sim como ele se coloca face à lei - se lhe respeita o espírito ou se aproveita as lacunas para contrariar o espírito da lei. O diploma legal que pretendia dar equivalências por "experiência de vida" não tinha, de certeza absoluta, intenção de formar pessoas em clara violação do que é uma licenciatura universitária.

Um ministro dos Assuntos Parlamentares, que coordena toda a atividade legislativa do país (Assembleia da República e Governo), tem forçosamente de ter uma outra noção sobre o que são as leis e qual o interesse público. Não pode ser, ele próprio, um orgulhoso aproveitador das sempre valiosas lacunas das leis para ser doutor sem estudar. E não se arrepender disso.

Por isso é incrível verificar que não há pela parte de Miguel Relvas outras palavras que não sejam uma defesa ridícula: a de que busca a "simplicidade na procura do conhecimento permanente". Fazer exames a quatro cadeiras numa licenciatura de 32 não é nem simplicidade, nem procura, nem conhecimento. É uma mentira.

Sócrates é realmente um "turboengenheiro" que andou a arrastar-se por algumas universidades até conseguir um diploma. Ficou muito descredibilizado mas em contraponto tinha uma legitimidade: havia sido votado pelo eleitorado para gerir o país pelas suas supostas qualidades de líder e não de engenheiro. Relvas, pelo contrário, é ministro apenas porque, no critério de Passos Coelho, o pode ser. Quanto às políticas, é o que se vê com o caso das secretas e dos lóbis a que supostamente esteve (está?) ligado. Quanto à competência académica, não existe.

Entretanto, os senhores do PSD que defendem Relvas, tenham calma. Esteja Relvas onde estiver, irá certamente manter as suas competências no ativo e no seu lugar ficará certamente alguém que cumpra reverencialmente ordens superiores, não se aflijam. Todos sabemos que não estaremos livres de Relvas enquanto Passos mandar.

PUB

Tudo se resume, portanto, a um pedido de decoro ao primeiro-ministro. Infelizmente Passos Coelho parece apostar no tempo, até que tudo se esqueça. E é verdade, tudo se esquece, mas o caminho para o precipício político faz-se de passos assim, irreversíveis quanto à direção, ao estilo, à responsabilidade, ao modelo. Por muito que valham os amigos que o levaram ao colo até São Bento é importante relembrar que eles não cegam um sentimento coletivo de milhões de portugueses por uma batota atirada à cara de todos com um sorriso. Se o primeiro-ministro não vê isto, então não vê realmente nada.

P.S.: Sobre o caso Freeport digo hoje o que penso desde o primeiro dia: um ministro do Ambiente que assina a destruição de uma área natural a poucos dias de sair do Governo é um péssimo ministro do Ambiente. Quanto à sentença do caso Freeport, ela é um bom exemplo de como o Ministério Público é 100 vezes pior que a Polícia Judiciária. Fico ainda assim com uma dúvida: houve ou não milhões de euros numa conta offshore do BPN-Caimão a favor de pessoas próximas de José Sócrates? Por que lá foi parar aquele dinheiro?

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG