O Jogo ao Vivo

Opinião

Pessoas seguras?

O caso das golas inflamáveis distribuídas pela Proteção Civil a milhares de pessoas das aldeias noticiado pelo JN não é um fait-divers de verão.

E revela a total indigência do Estado, mas sobretudo do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, que não só acusou a Imprensa (este jornal e todos os outros que a seguir a replicaram) de ser "alarmista" e "irresponsável", como precisou de mais 24 horas para finalmente decidir abrir um inquérito à contratação dos supostos kits de proteção, que ainda por cima, também tal como o JN avançou, foram comprados ao dobro do preço do mercado.

Infelizmente, a letargia que assola o país, e uma Oposição descaracterizada e a tentar resolver problemas internos, parecem fazer com que, mais uma vez, a irresponsabilidade, essa sim, da decisão, passe por entre os pingos da chuva.

Caro leitor, em causa não está só o gasto de mais de 300 mil euros. Está a compra de material altamente inflamável, distribuído pelas populações como se fosse eficaz em situações de fogo. Não. Não é normal, como parecem ter entendido, num primeiro momento, o ministro e a Proteção Civil.

Esta semana mostra que, terminada a comoção e o apelo ao compromisso nacional em defesa da floresta e do interior, pouco de relevante mudou. No terreno continuam a sentir-se desarticulações operacionais e guerras entre instituições, com o exemplo mais caricato no incidente em que um elemento do GIPS deu voz de prisão a um comandante dos chamados "canarinhos".

Do lado do Governo, falhas como as verificadas nos kits com materiais inflamáveis fazem recear que as medidas aprovadas sejam mais aparência de ação do que melhoria consistente das condições de segurança e de prevenção. Do lado da Oposição, ouvem-se esporadicamente críticas aos meios e ao socorro, como se fosse possível ignorar as responsabilidades de todos os que ocuparam o poder nas últimas décadas, porque o estado frágil da nossa floresta e dos territórios interiores é o resultado de erros acumulados ao longo do tempo.

Mas não aprendemos, pois não?

* DIRETOR