Opinião

Gosto muito do meu cão e não voto no PAN

Gosto muito do meu cão e não voto no PAN

Desde que me conheço como gente que adoro cães. Ainda hoje tenho memórias longínquas e ténues de um pequeno rafeiro que era a minha sombra em criança. Contava a minha avó que enquanto eu dormia ele encostava o seu ouvido ao meu corpo para sentir o meu respirar. Foi o meu primeiro grande desgosto, quando um dia não resistiu a um atropelamento por um carro. Ainda hoje tenho muitas saudades do meu galgo, que criei e treinei desde muito pequeno e que esperava ansioso pelo meu regresso a casa em cada fim de semana, no tempo de universidade fora do Porto. Não era o ruído, mas o "cheiro do dono" que lhe motivava uma prévia alegria descontrolada. De facto, a capacidade de olfato dos cães é muito superior à dos humanos, devido ao facto de terem 30 a 50 vezes mais glândulas odoríferas!

Continuo a ter um cão, amigo e companheiro fiel de todos os momentos. Que trato o melhor que sei e posso, mas com as regras próprias e adequadas a um animal doméstico, para mim diferentes das de um ser humano. Ele sabe que o seu espaço próprio é o alpendre e o jardim, com o seu tapete e a sua casota, sendo o espaço interior a partir da entrada da cozinha a área de domínio dos seus donos. Não vai a restaurantes, muito menos a "soirées" políticas com direto televisivo para português ver. E garanto que não sofre com isso.

Não me comporto em função de modas, muito menos quando interferem com valores, princípios e decisões do nosso dia a dia enquanto cidadãos. Não é por assistir à "mise en scene" da presença, devidamente encenada, de animais na sede do PAN na noite das europeias que vou mudar de atitude. O importante é continuar a acreditar na democracia enquanto tal, como a forma mais justa de garantir uma sociedade equilibrada, em que a áreas como a saúde, a educação e a justiça sejam prioridades no investimento público.

Fico preocupado quando vejo os nossos líderes focados no mediatismo e na espuma dos dias. Porque o imediato pode ser "fashion" e tentador, mas estará sempre longe de ser uma base sólida e com futuro.

* PROFESSOR CATEDRÁTICO, VICE-REITOR DA UTAD