Imagens

Últimas

Felisbela Lopes

Catalunha terá vencedores?

Ainda não se sabe qual o desfecho do complexo processo referendário da Catalunha. Apenas se pressente aí uma colossal inabilidade política. Em Madrid e em Barcelona. Por enquanto, aguarda-se por segunda-feira para perceber o que Carles Puigdemont fará com o ultimato imposto pelo Governo central para esclarecer o que foi feito ao nível da declaração de independência, apesar de o próprio já ter vindo dar algumas pistas de (re)ação na sua conta de Twitter. Que não auguram um desenvolvimento pacífico de toda esta intricada situação.

Felisbela Lopes

25 anos de TV privada

"Estudantes em luta contra as propinas". Há 25 anos, a SIC iniciava as suas emissões, a meio da tarde, com um bloco de notícias irreverente em relação aos poderes instituídos, inovador na linguagem e criativo na imagem. A partir daí, fortaleceu-se um sistema mediático televisivo que se assumiu como contrapoder em relação a vários campos sociais. Aos poucos, esse dinamismo, que durou uns bons anos, tem vindo a esbater-se. Com reflexos claros na vitalidade do espaço público nacional. Está na hora de fazer outra revolução no audiovisual.

Felisbela Lopes

Como interpretar as autárquicas? 

O resultado das eleições autárquicas tem sempre uma leitura nacional. Porque as estruturas dirigentes dos partidos promovem essa interpretação e porque os média nacionais privilegiam esse ângulo. Acontece que, a nível local, os eleitores tendem a votar mais em pessoas, independentemente da ligação partidária que exibem no boletim de voto. Mas num país incapaz de produzir elites políticas fora da capital, os líderes municipais não se impõem. E as autarquias locais vêm assim a sua importância nacional fortemente mitigada.

Felisbela Lopes

Nova carta a um universitário

Escrevi-te há dois anos, eras tu um jovem caloiro, cheio de expectativas, próprias de quem chega ao Ensino Superior, mas carregando igualmente alguns temores, frente a uma praxe que tu sabias que poderia ser violenta. Agora, já no terceiro ano, és finalista de uma licenciatura que se faz depressa demais e pertences também a um grupo que lidera o acolhimento aos mais novos. É em ti que confio para consolidares uma marca de qualidade do Ensino Superior e para ajudares a combater práticas abjetas que se multiplicam por vários campi universitários.

Felisbela Lopes

Fim da "silly season"

Ao longo dos últimos anos, tem havido uma reconfiguração da chamada "silly season", aquele período de verão em que as fontes de informação que habitualmente são notícia vão para férias e a agenda mediática segue outros valores-notícia. Mais leves, mais próximos do entretenimento. Não foi assim em julho e em agosto. Por estes dias, muitos regressam ao trabalho, mas nos média jornalísticos não se notarão mudanças significativas. Porque este foi, na verdade, um verão quente. Também nos média.

Felisbela Lopes

Legados de Diana

Nos próximos dias, ouviremos falar bastante da princesa de Gales a propósito do 20.º aniversário da sua morte. As efemérides estão ao serviço de uma memória que se procura perpetuar. A de Diana Spencer prevalecerá por muito tempo. Porque a sua vida inaugurou uma nova monarquia europeia e porque quem morre jovem conquista uma certa eternidade. Eis a história de uma mulher sequestrada pelos média que, a determinada altura, planeou deles se servir para impor as suas pretensões, ignorando uma regra básica: a exposição da vida privada em público não tem limites. E isso é muito perigoso. Para Lady Di, foi fatal.