Opinião

Está tudo descontrolado. E a culpa (também) é nossa

Está tudo descontrolado. E a culpa (também) é nossa

Há uma frase que sempre me causou enorme perplexidade e que oiço com insistência nestes meses: "tudo é feito em condições de segurança". Escutei isso sempre que alguém me disse que foi de férias, ao restaurante, ao ginásio ou a uma pequena confraternização. No final de dezembro, o Governo suspendeu parte das restrições e muitos falaram da importância dos reencontros em tempo de festas natalícias. O resultado disso está à vista.

É fácil dizer que o poder político não está a controlar esta onda pandémica. É verdade, mas convém acrescentar que cada um de nós também não foi capaz de se gerir a si próprio e, por extensão, os outros. A partir da nossa esfera da ação, lá fomos tardando decisões, muitas vezes proclamando condições de segurança inexistentes ou reivindicando o direito a combater uma fadiga pandémica que se vinha espalhando como um certo ar de um tempo que queríamos afugentar.

Esta semana, a capa da revista britânica "NewStatesman" desenha-se a fundo branco sob o qual se faz cair a palavra "perda". Destaca-se aí o primeiro-ministro Boris Johnson que, no início da pandemia, assegurou que o país tinha meios para neutralizar rapidamente o vírus e que, no tempo de preparar os britânicos para uma nova vaga, os incentivou a sair de casa e a frequentar bares e restaurantes. Depois do Natal, já com a nova variante em circulação, foi à televisão pedir aos pais para não reterem os filhos em casa depois das férias do Natal. A dura realidade mostrou-lhe depressa a leviandade desses anúncios. Nesta altura, o país está confinado e conta mais de 100 mil mortos. "Quando as decisões tardam, as pessoas morrem", escreve-se.

Em Portugal, o primeiro-ministro fez o mais explícito "mea culpa" na "Circulatura do Quadrado" da TVI. Reconheceu que "está tudo péssimo". Sabemos porquê: tardámos a fazer regressar os portugueses a casa. Se na primeira vaga fomos céleres a promover o confinamento, agora houve hesitações, ziguezagues, declarações contraditórias. No entanto, o país não se faz apenas de decisões comandadas pelo Governo. Há resoluções que pertencem a outras instituições e a outros campos sociais e aí também não me apercebi de grande mobilização para que fossem tomadas medidas de restrição mais drásticas com muito mais recuo. No Natal, quando se anunciou o levantamento de restrições, também não escutei grandes reservas a isso.

Nesta vaga, que é a mais séria de todas, falhamos todos. Que saibamos agora remar contra esta maré tão violenta. De forma determinada. Só assim nos salvaremos.

Professora Associada com Agregação da UMinho

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG