Opinião

Carta a um jovem universitário

Carta a um jovem universitário

Querias ser um universitário e aqui estás tu a poucos dias de cumprir esse sonho. Estes serão anos inesquecíveis. Torna-os singulares. Traça o teu percurso. Constrói a tua aprendizagem. Faz amigos para a vida. E ganha coragem para recusar práticas de carneirada que renegam o espírito universitário. Como as praxes.

Daqui a pouco tempo, estarás em anfiteatros cheios de jovens iguais a ti. Mesmo assim correspondem a um pequeno grupo de portugueses. Parecem muitos, mas não serão assim tantos como seria ambicionável. Os professores que, em cada unidade curricular, encontrarás uma vez por semana terão dificuldade em saber o teu nome. Estarás integrado num grupo que se renova em cada semestre e não há capacidade para dominar rapidamente todos os nomes. Isso não será o mais importante. Tu sabes que és singular e é isso que importa tornar distintivo. Não encares as aulas como momentos para tirar irrefletidamente apontamentos ou como um tempo para consultares o Facebook ou os teus sites preferidos, tendo como ruído de fundo a voz do professor. Cada aula deverá ser sempre uma oportunidade para aprenderes alguma coisa, mesmo quando o docente é monocórdico e a matéria parece não ter qualquer interesse.

Para além das aulas, há um curriculum paralelo que convém integrar num tempo onde cabe tudo. Lembrava Abel Salazar que "o médico que só sabe medicina nem de medicina sabe". Em qualquer universidade, há inúmeras atividades (desportivas, culturais, sociais...) que poderás incorporar numa rotina que todos os dias terá sempre inesperados elementos. Isso tornará os teus dias únicos, mas tu terás de fazer com que essa singularidade aconteça a cada momento. E, mais tarde, perceberás que essas oportunidades se constituem como uma valiosa fonte de aprendizagem.

É claro que, por esta altura, deverás experimentar algum receio daquilo a que chamam praxes. Não tem qualquer fundamento esse teu temor. Os praxistas mais radicais são, por norma, um conjunto de estudantes que costuma aparecer por esta altura nas universidades cujo curriculum se circunscreve a uma vergonhosa acumulação de matrículas. Findo este período, desaparecem. São aquilo que outrora poderíamos considerar os burros do sistema. Eles denominam-se "doutores". Cabe-te, a ti, legitimar tão abusivo título. Resiste. Diz não. Eles não têm qualquer poder. Claro que encontrarás também os outros. Os colegas mais velhos que vão fazer brincadeiras contigo, que te ajudarão a integrar nesta nova comunidade estudantil. Rapidamente saberás diferenciar uns dos outros. É claro que as universidades poderiam aqui ajudar mais, mas alguns reitores, aqueles que gostam de dizer que não sabem o que são as praxes, têm receio de se pronunciar publicamente sobre o assunto e mais medo têm de tomar medidas que impeçam práticas abjetas. Mas isso agora também interessa pouco. Importas tu. Tu e a tua determinação em dizer não a todas as indicações que ponham em causa a tua dignidade.

Há também que falar dos amigos. Vão ser para a vida. Por mais voltas que dês, não irás esquecer meia dúzia de colegas que fizeram grupo contigo em trabalhos académicos, que te levaram para as noitadas e entraram contigo nas aulas depois de uma direta, que partilharam alegrias e momentos menos bons... Eles vão ser parte da tua vida e tu vais transportá-los contigo por muitos e muitos anos...

Estou certa de que enfrentarás esta nova etapa da tua vida com determinação. Com garra. Com criatividade. Com generosidade. Hoje a universidade deixou de ser aquele elevador social que transportou os teus pais e os pais dos teus colegas para outros estatutos. Também não te formará numa área à qual tu te agarrarás para sempre. Hoje é tudo mais indeterminado e mais flutuante. Mais líquido. E isso não é forçosamente mau. É claro que vives hoje num país que abre pouca esperança aos jovens. Mas há que encontrar vias alternativas para um destino que está muito longe de ser predeterminado. O que importa agora é aproveitar tudo. Tudo constitui uma enorme fonte de aprendizagem que será sempre transformadora da tua vida. Boa sorte! Sê feliz.