Opinião

63 anos

No dia 24 de junho o Hospital São João faz 63 anos. Somos mais de 6500 profissionais, 1100 camas, 35 salas de bloco cirúrgico, 250 gabinetes de consulta. Uma área geográfica que, nalgumas especialidades, dá apoio a mais de 3,5 milhões de pessoas. Um orçamento anual superior a 400 milhões de euros.

Ensinamos estudantes e profissionais das várias áreas da saúde. Publicamos nas mais prestigiadas revistas mundiais. Ganhamos bolsas internacionais para realizar investigação básica e de translação. Possuímos centros de referência europeus e integramos os mais importantes ensaios clínicos. Dispomos de algoritmos espetaculares, meios imagiológicos extraordinários, testes genéticos e moleculares, uma quantidade impressionante de equipamentos e robots.

Mas isto não é realmente o que nos define. Toda esta tecnologia não é um fim em si mesmo. O principal foco do nosso trabalho são os doentes. A inteligência artificial, que tem crescido exponencialmente, é algo admirável, mas não substitui o humanismo, o cuidado e a empatia que precisamos de ter para sermos profissionais de saúde.

PUB

Os doentes não são apenas números numa folha de excel ou estatísticas em livros científicos. São pessoas, com nomes, família e história. Aqueles que realmente querem aprender, investigar, ensinar, que procuram a excelência e a inovação, que estão abertos a colocar os interesses dos doentes em primeiro lugar, esses, são bem-vindos ao Hospital São João. Para quem se apaixona pela medicina, trabalhar neste hospital será extremamente gratificante. Do nascimento até aos últimos momentos, teremos o privilégio de fazer parte da vida dos doentes. Esta é a nossa cultura.

Distinguimo-nos pelo planeamento e organização, antecipação e preparação. Temos uma capacidade única de trabalhar em equipa, combinando competência, saber, diferenciação técnica, mas também entrega, generosidade e dedicação. Possuímos estratégia, determinação e ambição de querer fazer sempre melhor, com um espírito cosmopolita e inovador. Não cedemos, nem capitulamos nos nossos princípios. Não nos resignamos com a escuridão da incompetência e dos pequenos interesses e procuramos sempre trazer uma luz de esperança, uma visão de futuro.

Na verdade, tudo o que nos caracteriza é próprio do SNS, que integramos com imenso orgulho, e estes valores são comuns a muitas outras instituições de saúde. Por isso, neste período de inverno, podemos estar pessimistas em relação ao amanhã, mas devemos estar otimistas em relação ao dia seguinte ao amanhã.

*Presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar Universitário de S. João

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG