Opinião

Adequar a catequese à "cultura digital"

Adequar a catequese à "cultura digital"

A principal tarefa da Igreja é a evangelização. A catequese é uma das formas de a promover.

"A velocidade com que se modifica a linguagem, e com ela também as relações comportamentais, deixa vislumbrar um novo modelo de comunicação e de formação que toca inevitavelmente também a Igreja no complexo mundo da educação", disse D. Rino Fisichella, presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização, na semana passada, na apresentação do novo Diretório para a Catequese. Este irá procurar lançar diretrizes para adequar a catequese aos desafios que a nova "cultura digital" coloca à Igreja.

Pretende-se igualmente com este documento "libertar a catequese de algumas armadilhas que impedem a sua eficácia". Antes de mais, corrigir o modelo escolar. Ela não tem como principal objetivo ensinar, mas levar ao encontro com Cristo e integrar os jovens na comunidade cristã.

Procura-se ainda com o Diretório acabar com "a mentalidade segundo a qual a catequese é feita em vista à receção de um sacramento". Na verdade, muitos pais só inscrevem os filhos na catequese para receberem a primeira comunhão. E muitos jovens fazem a catequese para o crisma, não porque estejam interessados em aprofundar a fé, mas para poderem ser padrinhos.

Uma outra preocupação da Igreja é não deixar instrumentalizar a catequese. O documento sublinha "que a catequese não se faz para receber um sacramento", mas "para se inserir gradualmente na vida da comunidade cristã" e ser capaz de dar, "também hoje, o nosso testemunho com coerência", disse D. Rino ao jornal italiano católico "Avvenire".

Agora compete a cada país ou região adaptar ao seu contexto as novas diretrizes para a catequese. Em Portugal já se têm promovido algumas experiências para que a catequese deixe de ser tão escolar e passe a desenvolver uma maior integração na comunidade cristã. Nomeadamente a catequese familiar que procura atingir, não só as crianças e os adolescentes, mas também os seus pais. São novas modalidades a aprofundar e a desenvolver para gerar cristãos e famílias mais adultas na fé e corresponsáveis na vida da comunidade.

*Padre

Outras Notícias