Opinião

Ao Papa não desagradaria ir a Beja

Ao Papa não desagradaria ir a Beja

Mesmo antes da proclamação oficial, já se sabia que as próximas Jornadas Mundiais da Juventude seriam em Lisboa. Talvez por isso o Papa Francisco não tenha feito o seu anúncio como habitualmente, delegando-o no cardeal Kevin Farrell, presidente do Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida.

Por cá, Miguel Sousa Tavares propôs que as Jornadas se realizassem em Beja. Esta cidade tem, na sua opinião, um aeroporto e as infraestruturas adequadas ao acolhimento deste evento. E disse: "Lisboa quer sempre tudo, os outros ficam com as migalhas!".

Ergueu-se logo um coro de protestos, argumentando que, em Portugal, só Lisboa tem condições para acolher tal evento. A ser verdade, então, muito há ainda a fazer para melhorar o território e corrigir a macrocefalia da capital.

Os defensores da opção Lisboa rapidamente se lembraram que, na vizinha Espanha, as Jornadas Mundiais da Juventude se realizaram em Madrid. Mas esqueceram-se que as primeiras foram em Santiago de Compostela, tal como a Expo 92 foi em Sevilha. Por isso, haveria outras cidades portuguesas a poderem receber as Jornadas.

O Papa, tão defensor das periferias, talvez preferisse Beja. Mas foi Lisboa quem se candidatou, foi Lisboa a escolhida e será lá que se realizarão. A não ser, que por um gesto de extraordinário altruísmo, o cardeal patriarca decidisse ceder o evento a outra diocese e mobilizasse toda a Igreja portuguesa para a sua realização nessa geografia. Cairia então o Carmo e a Trindade, pois não falta quem já esfregue as mãos de contentamento com os milhões que irão faturar. Tudo farão para que as suas expectativas não saiam goradas.

Por isso - por muito que Miguel Sousa Tavares e outros falem na deslocalização das Jornadas e a defendam com unhas e dentes - tal não acontecerá. Até porque a Santa Sé não gosta de alterações de última hora. Já lhe bastam as alterações que o Papa impõe a toda a hora e as constantes quebras do protocolo que costuma introduzir....

Contudo, se do programa das Jornadas fizer parte uma visita a uma cadeia, como aconteceu nas últimas Jornadas, porque não ponderar a hipótese de o Papa fazer uma escala no aeroporto de Beja e visitar o estabelecimento prisional dessa cidade? Esta ideia não lhe deverá desagradar, ainda que mais uma vez se estivesse a dar umas migalhas a outra localidade enquanto o bolo continuaria a ser para Lisboa. Todavia, melhor umas migalhas do que nada.

Provavelmente, nem isto será possível. E há seguramente muitos argumentos para rejeitar esta possibilidade...

* Padre