Opinião

Bíblia em português trata Deus por "tu"

Bíblia em português trata Deus por "tu"

É hoje apresentada em Lisboa, na Universidade Católica, uma nova tradução em português dos Quatro Evangelhos e do livro dos Salmos.

Desde 2012 que a Bíblia, por iniciativa da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), está a ser traduzida por um número alargado de peritos "com a finalidade de ter um texto uniforme, traduzido diretamente das línguas originais (hebraico, aramaico e grego), para uso na liturgia, na catequese e em todas as atividades da Igreja em Portugal", como diz o comunicado à imprensa da CEP.

Esta nova tradução da Bíblia pretende "ser literal, ou seja, transmitir o melhor possível o que os textos exprimem nas línguas originais, e, ao mesmo tempo, compreensível para os leitores e, sobretudo, ouvintes de hoje, visto tratar-se de um texto que também se destina a ser proclamado".

O volume apresentado hoje não é, ainda, o texto oficial. "Decidimos não aprovar e publicar a edição definitiva sem antes sujeitarmos a presente versão à apreciação dos leitores de língua portuguesa, cristãos ou não. Queremos que a versão final seja, o mais possível, fruto daquela participação sinodal na vida da Igreja, especialmente preconizada a partir do II Concílio Ecuménico do Vaticano e, ultimamente, reforçada pelo Papa Francisco" escreve o presidente da Comissão encarregada da tradução, D. Anacleto Oliveira, bispo de Viana do Castelo, na introdução.

"É uma versão experimental e estamos à espera de reações. Tenho dito e continuo a dizer: o biblista deve ser muito humilde e aceitar outras opiniões", disse D. Anacleto Oliveira em entrevista à Agência Ecclesia. Pede aos leitores que enviem, por carta ou por correio eletrónico, as correções e sugestões que possam melhorar a tradução que terá a chancela da CEP.

A nova tradução da Bíblia, com o objetivo de tornar a Palavra de Deus mais acessível, implicou decisões difíceis de tomar. Na referida entrevista, D. Anacleto Oliveira destacou o tratamento de Deus por "tu", na tradução do Pai Nosso. "Hoje, por norma, os filhos tratam o pai por "tu", porque isso implica uma intimidade muito mais profunda; a exceção são os filhos que tratam os pais por senhor ou vossemecê, como se dizia no meu tempo. Até nisso, nós achamos que era importante evoluir. Posso dizer que foi uma decisão tomada, por votação, na Conferência Episcopal. Não foi de ânimo leve", disse.

Esta decisão pode implicar uma alteração na forma como se passará a rezar o Pai Nosso. Falta saber se os liturgistas acompanharão os biblistas e se, nas celebrações litúrgicas, se passará, também, a tutear a Deus.

Esta iniciativa da CEP de propor uma nova tradução da Bíblia é louvável porque, para além de inúmeras questões interessantes que suscita, tem o condão de não ser a obra de um homem só. É um projeto que envolve reputados biblistas, linguistas, poetas, músicos e, a partir de agora, leitores. Como não se trata da tradução de traduções, mas antes da releitura de textos originais, será um meio precioso para aqueles que procuram o sentido inicial da palavra dos Evangelhos.

*PADRE