Opinião

O racismo não se combate com violência

O racismo não se combate com violência

Nem o racismo nem a violência estão na matriz do Cristianismo. Apesar disso, a história da Igreja está manchada por práticas discriminatórias e violentas: a Igreja é constituída por homens e por mulheres que, influenciados pelos seus contextos, não souberam ser fiéis aos princípios cristãos e deixaram-se contaminar por ideias contrárias ao Evangelho.

Logo nas primeiras comunidades se verificaram tensões e confrontos entre pessoas de culturas diversas, nomeadamente entre gregos e judeus. Foi isso que levou S. Paulo a esclarecer os Gálatas que, pelo batismo, todos são filhos de Deus, razão pela qual "não há judeu nem grego; não há escravo nem livre; não há homem e mulher" (Gál. 3, 28). Para um cristão, não faz qualquer sentido discriminar alguém por causa da sua raça, condição social ou sexo. Com o Concílio Vaticano II, essa fraternidade passou a envolver os crentes de outras igrejas cristãs, de outras religiões e até os não crentes.

Jesus, ao longo da sua vida, como atestam os Evangelhos, procurou estar sempre próximo daqueles que eram marginalizados e discriminados: os leprosos, os endemoninhados, as prostitutas, os publicanos, etc. Chega ao ponto de se identificar com eles e de advertir os seus discípulos de que serão julgados pela forma como os acolherem ou não (Mt. 25, 40).

O Evangelho demonstra também que, para Jesus Cristo, a única forma de romper a espiral da violência é não responder ao mal com o mal. "Ouvistes o que foi dito: olho por olho e dente por dente. Eu, porém, digo-vos: não oponhais resistência ao mal. Se alguém te bater na face direita, oferece-lhe também a outra" (Mt. 5, 38-39). E não o disse apenas, deu disso testemunho ao entregar-se na cruz sem oferecer resistência. Censurou até Pedro por o fazer, quando ele agride um dos guardas que o ia prender (Jo. 18, 11).

A violência e o vandalismo, como se tem visto nas manifestações contra o racismo, acabam por manchar uma reivindicação que é legítima e, também, profundamente cristã. Isso retira-lhe força e eficácia. Jesus Cristo disse-o com clareza. Gandhi ou Luther King, entre outros, entenderam-no bem.

Padre

Outras Notícias