Opinião

A classe política

Recordo-me que Jorge Sampaio detesta o conceito de "classe política" e se irrita quando ouve a expressão.

Percebo esta reação, na perspetiva de que um grupo de pessoas que, por via eletiva, ocupa cargos públicos ou aspira a fazê-lo está longe de configurar uma ideia de "classe", ainda que numa perspetiva apenas homóloga das categorias a que a ciência política nos habituou.

Quando por vezes se fala dos atuais ocupantes do nosso Parlamento, surge à memória coletiva de alguns uma espécie de nostalgia sobre a qualidade dos integrantes da Assembleia Constituinte, em 1975/76. Refere-se a circunstância de figuras de forte prestígio nas suas profissões terem então feito parte dessa histórica formação parlamentar. E faz-se logo um paralelo com os deputados dos tempos de hoje, num tom, em regra, depreciativo para estes últimos.

Acho isto de uma profunda injustiça. O momento pós-revolucionário foi uma conjuntura única. Com as escassíssimas exceções de quantos, tendo estado na assembleia da ditadura aí ganharam esporas de atitude democrática que lhes garantiu uma justa cooptação para o novo regime, para a esmagadora maioria dos integrantes do areópago que desenhou a nova ordem constitucional tratava-se de dar um primeiro contributo em liberdade. Tal como aconteceu com o chamado I Governo Provisório, estavam por ali os "talentos" que a jovem democracia tinha conseguido convocar, teoricamente dentre o melhor que o país tinha, o que, para muitos deles, foi mesmo uma primeira experiência política.

Mas as coisas mudaram muito, desde então. A vida política passou a ser feita por gente comum. O desenvolvimento dos partidos, o ciclo dos governos e a vida autárquica deram origem à entrada na vida pública de gente que apenas nessas funções viria a ganhar alguma experiência. Dir-se-á que é pena que muitas dessas pessoas não tivessem, à partida, uma formação profissional própria, para onde pudessem regressar no termo das suas funções políticas. Mas a realidade é o que é. Muita gente deu ao serviço público alguns dos melhores anos da sua vida, desde novo. Se optam por continuar na política - no Parlamento, no Governo ou nas autarquias -, passam a integrar a tal "classe política" e, aos olhos de alguns, são uma espécie de "funcionários" do sistema. Se, ao invés, decidem ingressar na sociedade civil, assumindo funções privadas, são frequentemente vistos como utilizando esses seus conhecimentos para usufruir vantagens.

Não deve ser cómodo, ao contrário do que muitos pensam, fazer parte da "classe política".

*Embaixador

Outras Notícias