Uma segunda opinião

Às sete

"Ó diabo! Já são sete!". A frase, ao final da tarde das terças-feiras, é comum, lá por casa. É às sete horas que, por regra, começo o artigo que agora leem.

Podia ser mais cedo? Podia, mas não era a mesma coisa. Escrever sem a pressão do tempo, não faz o meu género. (Não sou como aquele relojoeiro, em frente ao mercado de Campo de Ourique, a quem, há alguns tempos, confiei um relógio para conserto e que, perante insistências minhas sobre se o trabalho já estava feito, me disse, sem se rir: "Desculpe lá, mas eu não funciono sob pressão do tempo!". Para quem trabalha com relógios...). Habituei-me assim, já não mudo. No início, confesso, o método angustiava-me. "Mas, ao menos, pensas sempre, com antecedência, no que vais escrever?", perguntou-me, um dia, um amigo, a quem revelei este meu comportamento, que, para ele, lhe criaria uma insuportável ansiedade. Claro que, em geral, penso, mas também lhe disse que, muitas vezes, a escolha sobre o tema que esta coluna vai abordar é feita à última hora, sob um impulso momentâneo. "Mas não tens coisas guardadas, para o caso de te faltar a imaginação?". Quando lhe jurei que não tinha, não me acreditou. Mal ele sabe que a questão se me colocou, ainda há pouco: vou escrever sobre quê, nesta que é a minha última crónica de 2020? Talvez devesse falar sobre isso mesmo, sobre este ano que nos fez perder um ano, que já não vamos recuperar, um ano que nos encheu de medos, de desconfianças, de raiva até. Depois, pensei melhor: não vou "dar confiança" a este ano sinistro, dedicando-lhe um artigo. Não merece. Vou então escrever sobre 2021, o ano que só por muito azar não será melhor do que o anterior? Seria uma banalidade. Mas, então, falar de quê? Já sei! Vou escrever sobre mulheres! Ensandeceu de vez, pensou o leitor. Talvez não. Falar sobre Ursula Van der Leyen é assinalar o papel decisivo que a presidente da Comissão Europeia, nesta tormenta, soube desempenhar, com soluções imaginativas para estimular a economia comum e organizar o processo, tão rápido quanto possível, de distribuição das vacinas. Falar sobre Angela Merkel é notar a "força tranquila" de uma dirigente que mostrou estar à altura da liderança da União, em período bem complexo. Falar de Marta Temido e de Graça Freitas é distinguir, com gratidão, duas senhoras que, apesar das hesitações e erros que uma navegação à vista sempre implicaria, deram ao país uma lição notável de dedicação ao serviço público. É isso! Já descobri tema para esta crónica!

*Embaixador

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG